PUBLICIDADE
Topo

Rápido panorama do metal nacional - 54

Combate Rock

08/07/2020 06h12

Marcelo Moreira

– Wastelands – "Until the End of Time" é o primeiro trabalho desta banda e impõe respeito pela coragem de enveredar por um caminho batido e não se preocupar muito em soar como os ídolos. É heavy tradicional no talo, com pitadas de Judas Priest e Accept, com pitadas de Iron Maiden ali e aqui. Para um primeiro trabalho, o resultado é interessante e promissor, mas é urgente uma pesquisa mais aprofundada nos timbres de guitarra em busca de uma identidade própria, mais definida. "Game Over"é o destaque.

– D.A.M. (Diabolus Alma Mater) – Para quem acha que o death metal é tudo igual, uma massa sonora indistinta, os mineiros dessa banda ótima dão um belo pontapé na cara dos céticos. É um trabalho de muita qualidade este "Disciples of Unknown", onde os detalhes transformam as música s e as elevam de patamar. A guitarra explode nos falantes e os arranjos ajudam a criar um clima monstruoso, em todos os sentidos. Não é para qualquer ouvinte, pois a violência em alguns momentos incomoda – ainda bem, já que a intenção era essa. Trabalho irrepreensível, escute as belas "Guardians of Midnight" e "Die and Rot Alone".

– Alkymenia – Banda esquisita, no bom sentido, que instiga o ouvinte a procurar referências. Não é fácil, já que o death metal original, em alguns momentos, dá lugar a experimentalismos e sonoridades bem diferentes. É um grande experimento esse "Libertad", onde as guiatrras passeiam por caminhos insólitos e os arranjos mostram maturidade e ousadia. A primeira audição é intensa e difícil, mas as seguintes enveredam por boas trilhas. "We Are Not Made of Emotions" é a faixa que melhor simboliza o trabalho.

Spades Vandal – Início da carreira solo do cantgor André Spades, um artista que sempre mergulhou no hard rock e que liderou o ótimo e exagerado Savannah. "Spandes Vandal", o disco, é bem feito e muito bem produzido, equilibrando bem os traços oitentistas do hard californiano e os timbres mais modernos do gênero que hoje é praticano na Escandinávia. Eco de Hanoi Rocks ou Ratt? Muitos, mas é um CD com personalidade, memso com so clichês de sempre, como a boa "Looking for Lover" e a canção emblemática "Non Stop Lady". Será que já temos um clássico do hard nacional?

– Zerodoze – Uma bela surpresa esse DVD ao vivo do projeto que reúne nomes importantes do metal nacional. A ideia aqui é o trio fazer hard rock em português, ao melhor estilo Golpe de Estado e Baranga, com guitarras fortes e uma bateria marcante e suingada. "Ao Vivo" é repleto de boas ideias e desfila músicas intyeressantes cantadas em português pelos competentes André Lacet (baixo) e Cristiano Wortmann (guitarra).

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock