PUBLICIDADE
Topo

Os 45 anos de criação do Triumph, uma das joias do rock canadense

Combate Rock

27/06/2020 06h29

Marcelo Moreira

Trio canadense de bastante sucesso, com músicas bem construídas, instrumentistas exímios e uma certa má vontade da crítica musical. A descrição cabe bem ao Rush, mas se aplica ao seu maior rival local, o Triumph, um nome importante do hard rock setentista e oitentista, com um legado extraordinário.

A rivalidade, na verdade, ia somente até certo ponto, já que, quando o Triumph realmente estourou internacionalmente, por volta de 1980, o Rush já gigante.

Nenhuma das bandas ofuscou uma à outra, mas ficou claro, desde sempre, a superioridade do Rush, com seus 45 anos de carreira, sendo 40 com o baterista Neil Peart. Já o Triumph acabou em 1994, com uma breve volta da formação clássica em 2008 para alguns shows.

Surgido em 1975 na onda do hard rock emergente daquela década, é possível dizer que o Triumph pegou carona no sucesso do Rush, que já preparava a sua transição de banda com som calcado no Led Zeppelin e no Queen para o rock progressivo – fato que catapultou o grupo ao estrelato.

O Triumph, por sua vez, tentou trilhou o mesmo caminho do Rush, mas com certo atraso – o que não impediu o sucesso quase instantâneo de seus dois primeiros álbuns "Triumph" (1976) e "Rock and Roll Machine" (1977).

Mesmo assim, Rik Emmett (guitarra e vocais), Gil Moore (bateria e vocis) e Mike Levine (baixo) nunca perderam o Rush de vista. Até se consideravam um grupo de "rock progressivo pesado", uma mistura de Who com Emerson, Lake and Palmer.

O sucesso que faziam era avassalador na América do Norte, principalmente com seus dois melhores trabalhos, "Progressions of Power" (1980) e "Allied Forces" (1981).

Só que, nesta mesma época, o Rush vinha de uma sequência absurda de trabalhos excelentes – "A Farewell to Kings (1977), "Hemispheres" (1978), "Permanent Waves" (1980) – até desembocar na obra-prima "Moving Pictures" (1981).

Os integrantes do Triumph admitiram que teriam mesmo de fazer o hard rock de arena, festivo, para alcançar e manter o estrelato. Foram muito bem-sucedidos, mas viam de longe o Rush se estabelecer como uma das grandes bandes do rock de todos os tempos.

Seja como for, o trio do Triumph entrou de cabeça na mania do hard rock californiano e seus excessos, ao menos nas apresentações, enquanto os álbuns dos anos 80 foram ficando cada vez mais sofisticados e intrincados, fugindo de suas características. Ganharam fãs mais novos, mas perderam os tradicionais.

As indefinições criativas acabaram causando tensão entre os amigos, até que finalmente Rik Emmett decidiu sair em outubro de 1988.

Moore e Levine seguiram adiante, mas deixaram o grupo de molho até 1993, quando ressurgiram com um novo guitarrista, Phil X (Phillipe Xenidis) e lançaram o excelente "Edge of Excess", que infelizmente passou despercebido, o que decretou o fim do trio.

Enquanto Rik Emmett construiu uma ótima carreira solo, passeando por blues, jazz e ritmos celtas, Gil Moore virou empresário e construiu o Metalworks Studios, o maior e melhor complexo musical e de gravações do Canadá por muito tempo, virando referência mundial. Mike Levine tornou-se um renomado produtor e um empresário ligado ao hóquei no gelo.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock