PUBLICIDADE
Topo

Combate Rock

Iron Maiden, 45 anos: persistente e relevante, a locomotiva não para

Combate Rock

26/02/2020 07h00

Marcelo Moreira

Iron Maiden em 2015: banda deve vir ao Brasil em 2016 (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Iron Maiden em 2015: banda deve vir ao Brasil em 2016 (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Entediado e frustrado por ter de desistir de seu sonho de jogar futebol profissional por seu time do caração, um garoto decide abraçar o rock em pleno dia de Natal.

Ao formar uma banda naquele dia cinzento e frio de 1975, o ex-futuro meio-campista do West Ham, de Londres, criava um gigante do rock, tão grande e importante quanto alguns de seus ídolos musicais.

Steve Harris tinha muita força física, apesar de baixo, e era mais habilidoso com a bola do que a maioria dos moleques de 18 anos de Londres daquele tempo, mas tudo isso não foi o suficiente para que abraçasse o seu West Ham – sem contar uma lesão em um dos joelhos que ele não tratou como devia.

O futuro estava no rock, mas não como baixista da banda Smiler. Era preciso que ele criasse a sua própria banda, para que não desse satisfações a ninguém. Nascia então o Iron Maiden.

São 45 anos de uma história improvável, mas de profunda perseverança e insistência. Antes dos primeiros frutos reais do trabalho intenso, foram cinco anos de ralação e muitas trocas de integrantes, até que finalmente algo começasse a acontecer. E quando aconteceu, nem um pouco por acaso, foi tudo muito rápido.

Steve Harris com o unifiorme do West ham (FOTO: SITE MAIDEN FRANCE)

Steve Harris com o uniforme do West Ham (FOTO: SITE MAIDEN FRANCE)

O consenso entre historiadores, biógrafos e o próprio Harris diz que o Maiden surgiu no dia 25 de dezembro de 1975, mas certeza, certeza mesmo, nenhum deles tem. O músico até admite que o surgimento possa ter ocorrido um pouco antes.

Não importa. A locomotiva do rock pesado iniciou a sua jornada naquele ano para atingir um patamar somente igualado como a maior manda de heavy metal que já surgiu, ao lado do Metallica.

O maior nome da New Wave of British Heavy Metal, que era visto apenas como um subproduto do punk no final de 1979 – e o vocalista Paul Di'Anno confirmava todos os indícios  – elevou o patamar de agressividade e peso no rock, alargando ainda mais a estética que tomou forma um pouco antes com os conterrâneos do Judas Priest.

Sob a mão de ferro de Harris, o Iron Maiden praticamente se tornou um sinônimo de heavy metal e um dos símbolos principais do gênero. E tudo isso surgiu graças ao fim do sonho de boleiro de um moleque de 18 anos em Londres…

História Ilustrada

Banda de metal mais destrinchada por escritores, o Iron Maiden ganhou uma biografia diferente há alguns anos graças ao talento do canadense Martin Popoff, um dos maiores especialistas internacionais em heavy metal.

Biografias ilustradas costumam não atrair tanta atenção por serem consideradas superficiais – a informação em texto geralmente fica em segundo plano por conta das fotos.

Popoff decidiu mudar a percepção deste tipo de produto e escolheu em 2013 o Iron Maiden para um projeto gráfico ousado para contar a mesma história de sempre e exaustivamente explorada por outros tantos jornalistas, músicos e historiadxores.

"2 Minutes to Midnight – Atlas Ilustrado do Iron Maiden", escrito em formato de guia, ganhou finalmente a sua versão brasileira por iniciativa da editora Valentina. Os dias mais importantes mereem destaque especial, como o 11 de janeiro de 1985, a estreia da banda no Brasil na primeira edição do Rock in Rio.

É um livro em edição caprichada, onde Popoff foi bem-sucedido ao contextualizar historicamente a obra do grupo inglês com cada época de sua carreira, tudo entremeado por notas explicativas e declarações dos membros, tiradas das milhares de entrevistas feitas pelo autor.

Como existem farta referências históricas nas letras do grupo, o autor mergulha no mundo fantástico dos verdadeiros contos elaborados sobretudo pelo vocalista Bruce Dickinson, que quase se formou em história em Londres, e pelo baixista Steve Harris.

É o caso, por exemplo, da Batalha de Paschendaele, um dos pontos altos dos combates na I Guerra Mundial, que mereceu uma música de mesmo nome gravada no álbum "Dance of Death", de 2003.

A batalha ocorreu em 1916, em um lugarejo da Bélgica, onde ingleses, escoceses e franceses combateram os alemães em uma das batalhas mais violentas do conflito.

As várias referências ganharam um capítulo inteiro, o primeiro, onde Popoff dá uma aula de história digna das performances da banda.

O rigor informativo está lá, como é a característica do autor e de outros nomes importantes da literatura do rock, como Mick Wall e Joel McIver, que são ingleses.

O detalhe é que o formal e até sisudo (em alguns momentos) canadense se rendeu à descpontração e cometeu um texto leve, que flui bem e fácil. A tradução ajuda a manter o clima em relação às ironias e às boas sacadas.

E quem diria que o lado headbanger de Popoff aflorou com a farta distribuição de pancadas aos punks e à podre música pop dos anos 1979, 1980 e 1981, em uma ode ao maravilhoso heavy metal" como nenhum outro escritor do gênero havia feito.

"Há algumas outras coisas em cena também que fizeram do Maiden o icônico exército que ele se tornou. Há uma uniformidade no merchandising, há uma galeria de verdadeiros hinos e hits que a banda colecionou ao longo dos anos, e há a energia inspiradora que o grupo emana em suas apresentações ao vivo, ao ponto de ficar fácil perceber que a banda e seus fãs fiéis estão juntos, lutando a mesma guerra cultural lado a lado. E quem são os vilões nessa guerra? Bem, no fundo, os mesmos valores defendidos pelo NWOBHM (New Wave of British Heavy Metal), em apoio à musicalidade, contra o punk; só que agora é contra a sintética e patética música feita por computadores e eletrônicos, e não apenas a porcaria de ficar castigando um único acorde que impedia que cabeludos de jeans conseguissem fazer shows em pubs em 1976", escreveu o jornalista canadense.

De leitura rápida e divertida, é um trabalho sério e diversificado entre os livros que tratam do Iron Maiden. Claro que não é o melhor nem o mais profundo sobre o tema, mas é uma obra tipo almanaque que cumpre o seu papel.

As principais informações estão lá. E a contextualização das letras e dos 44 anos de banda com a história da humanidade são o grande diferencial de "2 Minutos to Midnight", um dos livros recentes de rock mais legais editados no Brasil.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock