PUBLICIDADE
Topo

Combate Rock

O grande dia chegou: governo Bolsonaro coloca o rock na mira

Combate Rock

24/02/2020 19h01

Marcelo Moreira

Cartaz do Facada Fest

Os otimistas (e estúpidos) bradavam com orgulho: o rock passou incólume pelo desastroso governo Jair Bolsonaro. "Só foram atacados quem provocou ou decidiu insistir em obras de mau gosto", escreveu nas redes sociais um importante músico do rock nacional – desnecessário dizer que simpatiza com o lixo de governo atual e com o nefastoi presidente de plantão.

O rock entrou na mira de Bolsonaro, definitivamente, com o pedido de investigação da autoria de um cartaz do Facada Fest, festival punk e hardcore que deveria ter ocorrido no ano passado em Belém (PA).

O cartaz do evento mostrava Bolsonaro como uma figura de terror. A Polícia Militar do Pará, de forma ilegal e fora da lei, chegou ao local do festival minutos antes do início e tentou impedir os shows, alegando que o local "não tinha alvará para receber aquele tipo de evento".

Claro que era mentira, pois dias antes um deputado estadual bolsonarista e um dos filhos do presidente protestaram contra o evento e o cartaz e pediram à Justiça que cancelasse tudo, o que não ocorreu. Entretanto, de forma truculenta, a PM fez de tudo para esvaziar e impedir o Facada Fest. O festival também ocorreu em Marabá (PA) e no Paraná.

Mais de seis meses depois, com um despacho do próprio ministro da Justiça, Sergio Moro, a Polícia Federal decidiu convocar os organizadores do Facada Fest para "prestar esclarecimentos", em uma clara tentativa de intimidação e em flagrante desrespeito à liberdade de imprensa e expressão.

O despacho foi assinado por Moro e pelo procurador geral da República, Augusto Aras, outro cidadão desprovido de bom senso e pouco afeito (e atento) a questões constitucionais que garantem as tais liberdades. 

A organização do festival é acusada de "apologia de crime" e "crimes contra a honra" do presidente da república, Jair Bolsonaro. O motivo, alega o ministro da Justiça, é a ilustração do cartaz do evento, um palhaço empalado com um lápis e fartas alusões ao presidente e seu governo asqueroso e de inspirações autoritárias e fascistas.

A perseguição absurda e inconstitucional ao Facada Fest pode ser lida por duas maneiras: como uma vitória dos movimentos underground e de resistência, já que incomodou o governo federal; e como um perigo, pois agora o Ministério da Justiça começará a monitorar eventos roqueiros à caça de músicos e organizadores de esquerda que criticarem ou xingarem o presidente.

Censura é o que podemos esperar diante do nojento ataque ao Facada Fest. É necessário desde já que a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e muitas outras entidades da sociedade civil se manifestem contra a absurda convocação e investigação do cartaz do Facada Fest.

Até o momento, nem o Ministério da Justiça nem o ministro Sergio Moro se pronunciaram sobre o assunto, assim como o procurador Aras.

Leia o comunicado na íntegra dos organizadores do festival:

SERGIO MORO INICIA PERSEGUIÇÃO AO ROCK PARAENSE

Os integrantes do festival de rock Facada Fest foram intimados a comparecer a Polícia Federal para prestar depoimento. Em despacho assinado pelo Ministro da Justiça, Sergio Moro, e pelo Procurador Geral da República, Augusto Aras, a organização do festival é acusada de "apologia de crime" e "crimes contra a honra" do presidente da república, Jair Bolsonaro. O motivo, alega o Ministro da Justiça, é a ilustração do cartaz do evento. Realizado em junho do ano passado, o Facada Fest foi um sucesso de público e não registrou nenhuma ocorrência policial.

Com tantos problemas ocorrendo neste momento no país – motim das policias militares, degradação ambiental na Amazônia e os indícios cada vez mais fortes de ligações entre políticos e milicianos – causa-nos espanto o uso do aparato judicial e policial de nosso país na repressão de um festival de música. Criminalizando a atividade artística e a liberdade de expressão, garantidas pela Constituição de 1988, a Constituição Cidadã.

Seguiremos em frente. Certos de que o bom senso e a justiça prevalecerão. E que, em respeito a nossa Constituição, o direito à atividade artística e à liberdade de expressão será assegurado.

NÃO NOS CALARÃO.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock