PUBLICIDADE
Topo

Uma homenagem a Ken Russell, que dirigiu o filme 'Tommy'

Combate Rock

04/02/2020 17h04

Marcelo Moreira

Na esteira das lembranças dos 50 anos do lançamento daquela que é considerada a primeira ópera-rock da história, "Tommy", de The Who, vamos fazer uma homenagem ao cineasta inglês Ken Russell, que morreu emnovembro d e 2011, aos 84 anos.

Ele foi a mente que viabilizou a complicada versão para o cinema da obra de Pete Townshend em 1975, tendo de aguentar os constantes problemas de agenda e logística das filmagens e as interferências do então temperamental guitarrista do Who.

"Tommy", filmado a partir do final de 1974 e lançado em 1975, lançou as bases de como fazer um filme musical baseado em rock sem ficar preso a conceitos engessados do estilo norte-americano – ou cair no extremo oposto, o da chatice de "Hair", que segue, em grande parte, um modelo calcado na Broadway, mais teatral e menos visual.

A obra-prima do Who, com o conceito elaborado pelo guitarrista Pete Townshend, que também compôs 90% do álbum duplo, foi totalmente absorvido pelo visionário Russell, que não hesitou em colocar astros de rock para estrelar o filme.

Roger Daltrey, cantor do Who, fez o papel principal, o do garoto cego, surdo e mudo traumatizado pelo assassinato do amante da mãe pelo pai supostamente morto e que, após um milagre, vira um astro do fliperama (pinball) e líder religioso.

Eric Clapton aparece cantando a faixa "Eyesight to the Blind" no papel de um pregador, tendo os outros três integrantes do Who como "banda de apoio" e assistentes. Keith Moon, o baterista da banda, aparece como o tio Ernie, cruel e mau.

Tina Turner deu um show como a prostituta Acid Queen na faixa homônima, e Elton John se destacou mais ainda como o desafiante de Tommy no campeonato de fliperama em "Pinball Wizard".

Ken Russell (FOTO: DIVULGAÇÃO/WIKIPEDIA)

Para dar segurança nos papéis mais dramáticos, como os pais de Tommy, dois atores consagrados, o inglês Oliver Reed e a sueca radicada nos Estados Unidos Ann-Margret, que não fizeram feio cantando. Jack Nicholson fez uma ponta como um médico.

"Tommy" foi um sucesso estrondoso no cinema e influenciou diretamente na estética de "The Wall", de Alan Parker, lançado em 1982, e "Quadrophenia", de 1979, também baseada em um álbum duplo do Who.

Ken Russell ainda quebrou outros tabus no cinema europeu, como abusar da linguagem conhecia como pop-art, exagerar deliberadamente na violência e utilizar o nu frontal masculino em um filme.

Foi indicado ao Oscar de melhor direção, em 1969, por "Mulheres Apaixonadas", seu filme mais aclamado até então. "Vamos com Calma", de 1962, foi citado por outro gênio, Stanley Kubrick ("2001″, "Larana Mecânica"), como uma das suas maiores influências

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock