Topo
Combate Rock

Combate Rock

Jon Anderson, a voz eterna do Yes, completa 75 anos

Combate Rock

29/10/2019 06h35

Marcelo Moreira

Era um dia de sol forte na avenida Paulista, em São Paulo. Tarde de primavera, quase verão, e um inglês decidiu comemorar seu aniversário andando pelos arredores e curtindo a paisagem e a loucura paulistana. A filha bonita, que fazia backing vocals, o acompanhava na divertida tarde.

Vestido de branco, como quase sempre, Jon Anderson, então ex-vocalista do Yes pela terceira vez, afirmava que a América do Sul e o México tinham mantido algo que os europeus tinham perdido: a vontade de curtir a vida, mesmo que fosse apenas uma tarde.

Ele nunca escondeu que detestava o clima chuvoso, frio e cinzento de Londres e da maioria das cidades inglesas. Gostava de afirmar que era um cidadão do mundo, que o mundo "quente" o atraía desde sempre. Por isso, adorava o Brasil e fazia questão de vir ao país sempre que podia.

"Comida boa, gente bonita, ritmo frenético e muita sabedoria. Independentemente das crises econômicas, aqui as péssoas ainda encontram espaço para curtir um pouco a vida", disse o cantor.

Anderson completou 75 anos nerste mês de outubro. Dos artistas britânicos do rock progressivo, é o segundo mais velho (Roger Waters, do Pinkf Loyd, nasceu meses antes), embora não seja o pioneiro do segmento.

Nome importante do underground folk britânico do começo dos anos 60, camelou bastante até que conseguisse firmar seu nome na cena londrina.

Jon Anderson (FOTO: DVULGAÇÃO)

Entretanto, foi ao encontrar o baixista Chris Squire em um pub, estudante universitário como ele, mas quatro anos mais novo, que a carreira deslanchou. E então surgiu o Yes em 1968, que tomaria forma definitiva no final daquele ano.

O primeiro disco, autointitulado, era um pastiche pop dos Beatles e dos Hollies. Fora necessárias doses importantes de ousadia de Anderson, Squire e do guitarrista Peter Banks (morto em 2013), buscando uma sonoridade mais rebuscada e sofisticada, mirando o próprio Pink Floyd, The Move e Moody Blues.

A banda ralou muito e as coisas começaram a acontecer a partir de 1970, com a saída de Banks e a chegada do guitarrista Steve Howe.

Foi então que o quinteto mergulhou no rock progressivo definitivamente, rivalizando com o Genesis, com o King Crimson, com o Emerson, Lake and Palmer e o Jethro Tull.

Com seu acento mais pop, mas conjugado com uma pegada mais erudita e pomposa – especialmente com a chegada de Rick Wakeman no lugar do tecladista Tony Kaye -, foi o grupo do segmento que mais vendeu álbuns nos anos 70.

Exímios músicos, tornaram-se alvo dos punks, ao lado do Pink Floyd. Foram acusados de descaracterizar o rock e de quererem elevá-lo a uma espécie de arte superior.

Ignorando essas bobagens, mantiveram o alto nível dos trabalhos de estúdio até que que as diferenças musicais provocaram mudanças de formação. Wakeman saiu, voltou e saiu de novo, seguido por Anderson em 1979.

Yes acabou em 1981 por desideratação e vendas baixas. Squire e o baterista Chris Squire tentaram se unir a Robert Plant e Jimmy Page logo em seguida, mas o ex-vocalista do Led Zeppelin logo pulou fora. Meses depois, Page desistiu.

E então a ideia era criar o Cinema, com o guitarrista e vocalista sul-africano Trevor Rabin, que mais tarde se tornaria compositor de trilhas sonoras para filmes.

"90812", o clássico do Yes de 1983, estava pronto quando Jon Anderson decidiu visitar os amigos White e Squire no estúdio. Escutou o que faxziam e pirou.

Não demorou para que ele os convencesse que de deveria participar. O nome voltou a ser Yes e o disco foi o maior sucesso da banda inglesa em todos os tempos.

Ao longo dos 20 anos seguintes, a banda teve altos e baixos, com Anderson saindo em 1987 e retornando em 1991, para ser defenestrado definitivamente em 2008 porque ficou seriamente doente e comprometeu a turnê dos 40 anos da banda.

As relações com Squire e Howe ficaram abaladas, a ponto de fazer com que Rick Wakeman abandonasse a banda pela enésima vez – ironicamente, sendo substituído por um de seus filhos tecladistas, Oliver Wakeman.

Genioso e exigente para alguns, solidário e parceiro para outros, o ex-cantor do Yes ultrapassou os 50 anos de carreira com um currículo invejável – só de Yes foram 40 anos, além de encontros prolíficos com o tecladista grego Vangelis, o inglês Mike Oldfield, o cantor mineiro Milton Nascimento, o violinista francês Jean-Luc Ponty e o guitarrista sueco Roine Stolt (Flower Kings).

Anúncio da Union Tour, em 1991: da esq. para a dir., Tony Kaye (teclados), Trevor Rabin (guitarra e vocais), Rick Wakeman (teclados), Alan White (bateria, com a camisa do Flamengo), Chris Squire (baixo), Jon Anderson (vocais), Bill Bruford (bateria) e Steve Howe (guitarra) (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Entusiasta da música brasileira, Jon Anderson já trilhava uma carreira solo paralela no auge do Yes, em meados da década de 70, quando lançou o exótico "Olias of Sunhillow", de 1975, um álbum incomum, baseado em música étnica e sons acústicos.

Veio ao Brasil pela primeira vez para tocar no Rock in Rio I em 1985, evento que encantou o vocalista, marcando uma série interminável de visitas com o Yes e em shows solo – alguns sozinho mesmo, só ele e violão, como em em 2012.

Seu mais recente álbum, deste ano, é "1.000 Hands: Chapter One", que reuniu novas composições e sobras de um projeto engavetado, Uzlot

O resgate das músicas do Uzlot surpreendeu, já que Anderson é um compositor prolífico. Muita gente imaginava que ele fosse retomar a parceria com Roine Stolt, que rendeu um ótimo CD há três anos, onde o rock progressivo predominou.

Com as portas abertas para o mundo, o cantor contou com um time estrelado para gravar as canções multifacetadas e diversificadas. Quem mais aparece é o violinista francês Jean-Luc Ponty, um amigo antigo que deu uma "cara" de world music para várias canções.

Outro Anderson brilha em pelo menos três canções. Contemporâneo do rock progressivo setentista, o líder do hoje encerrado Jethro Tull, Ian Anderson, tocou flauta e violão, além de outros amigos, como o tecladista Jonathan Cain (ex-Journey), Carmine Appice (ex-Vanilla Fudge e Beck, Bogert and Appice) e o guitarrista Rick Derringer.

Das gravações mais antigas foram aproveitadas performances de outros artistas importantes, como Bobby Kimball (vocais, ex-Toto), Billy Cobham (bateria), os jazzista Larry Corryel (guitarra) e Chick Corea (teclados), além do baixo de Squire e da bateria de White.

As canções mantêm um astral bem positivo, como "Where Does Music Come From?" e a oriental "Ramalama", além da dançante e festiva "Make Me Happy". As mensagens de esperança e de teor ecológico permeiam quase todas as letras, mas longe da pregação e de tornar o CD enfadonho.

Ponty vai muito bem em "First Born Letters" e "Activate", enquanto que Ian Anderson acrescenta sons interessantes em "Make me Happy" e "Now Variations"

É difícil encarar o Yes sem Jon Anderson, e fica complicado ouvir Jon Anderson sem o Yes neste século. Delicado, sutil e emocionante, o cantor mostra fôlego para encarar mais alguns anos de rock progressivo e world music da melhor qualidade.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock