Topo
Combate Rock

Combate Rock

Comentários aleatórios sobre o Rock in Rio - parte final

Combate Rock

07/10/2019 12h57

Marcelo Moreira

Muse (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Muse surgiu como um sopro de novidade nos anos 2000 com um som inspirado em rock progressivo e Dream Theater mas com um viés pop e boas músicas. Tornou-se uma banda maior do que se poderia supor, mas ainda assim a anos-luz dos gigantes do rock e do classic rock. Houve quem dissesse que eles fariam sombra ao U2. Não só não fizeram como perderam um pouco do fôlego na segunda década do século XXI. Ainda fazem um rock de arena respeitável, mas toda a aura de novidad e novação sumiu, por mais que continuem usando artefatos e acessírios de inspiração futurista. O show no Rock in Rio foi mais do mesmo e agradou a uma plateia aparentemente pouco exigente. Foi um desfile de hits previsível e meio anticlimático para o um show de encerramento de um festival portentoso e gigante, mas que teve rock de menos e música insossa demais.

Imagine Dragons fez sua parte. Os músicos se esforçaram para dar energia a uma série de canções pop alternativas e sem ousadia nenhuma. Não é uma banda ruim, mas certamente estava deslocada em um festival gigante.

– Teve gente que sentiu falta de mais classic rock nacional. O último dia nos brindou com Paralamas do Sucesso e Lulu Santos e resgatou um climão de anos 80. Lulu fez a sua abordagem mais recentes de músicas novas e antigas com a roupagem dançante. Um show dele nunca dá errado e é diversão garantida. De uma outra forma, dá para dizer coisa semelhante dos Paralamas: por mais que seja previsível , o desfile de hits garante uma boa diversão nostálgica. É muito profissionalismo e qualidade para o trio que segura a onda do rock clássico brasileiro ao lado de Titãs, Frejat Ira! e Capital Inicial (que também tocou nesta edição do Rock in Rio, mas em uma apresentação discreta).

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br