Topo
Combate Rock

Combate Rock

O que é a Orquestra Mundana Refugi

Combate Rock

02/09/2019 15h00

Marcelo Moreira

A Orquestra Mundana Refugi é dauqleas iniciativas que costumam renovar, ainda que por pouco tempo, a fé na civilização – e na capacidade de acolhimento da sociedade brasileira.

É inacreditável que a mesma sociedade que produz 60 mil homicídios por ano é capaz de gestos nobres como a política de recepção de refugiados do mundo todo – pelo menos foi assim até 2016, quando o governo MIchel Temer assumiu e iniciou mudanças na forma de como o país trata os imigrantes.

Idealizada pelo compositor e multi-instrumentista Carlinhos Antunes e pela assistente social Cleo Regina, a orquestra surgiu como uma iniciativa para ajudar na adaptação de grupos de refugiados em São Paulo unindo arte, cultura e solidariedade.

O projeto deu tão certo que se tornou uma orquestra de verdade, que já lançou dois elogiados CDs pelo Sesc paulista – "Caravana Refugi" é o mais recente. A qualidade musical é extraordinária, resultado da fusão de culturas e também de ritmos e gêneros musicais. Não é world music, é muito mais do que isso.

A Refugi é um desdobramento natural do combo paulista Orquestra Mundana, que já contava com músicos da França e de Cuba e de diversas regiões do Brasil.

Com o aumento do fluxo de refugiados no Brasil, a Oruqestra Mundana Refugi acolheu músicos da, Síria, Congo, Haiti, Irã e Guiné, entre outros países. Com o crescimento do projeto, a ideia é que a formação se torne variável pra acolher um número maior de ritmos e influências.

Na formação atual, um dos destaques é o conjunto de vozes que une cantos tradicionais árabes e persas são trazidos para arranjos que comportam também o canto brasileiro.

Para isso, integram a banda atualmente as cantoras Oula Al-Saghir, da Síria/Palestina, e Mah Mooni, do Irã, ao lado da brasileira de Mato Grosso do Sul Paula Mirhan.

Para interpretar os temas africanos e na intersecção afrobrasileira aparecem Mariama Camara, da Guiné-Conacri, Leonardo Matumona e Hidras Tuala, ambos do Congo.

O único CD da Orquestra Mundana Refugi pode ser encontrado nas unidades do Sesc do Estado de São Paulo. A formação com´pleta é a seguinte: Carlinhos Antunes – cordas e direção musical – Brasil; Abou Cissé – percussão – Guiné-Conacri; Arash Azadeh – kemanche – Irã; Beto Angerosa – percussão – Brasil; Claudio Kairouz – kanun árabe – Brasil; Daniel Muller – acordeon – Brasil; Danilo Penteado – piano – Brasil; Hidras Tuala – voz – Congo; Leonardo Matumona – voz – Congo; Luis Cabrera – saxofone – Cuba; Mah Mooni – voz – Irã; Maiara Moraes – flauta – Brasil; Mariama Camara – voz e percussão – Guiné-Conacri; Mathilde Fillat – violino – França; Nelson Lin – cítara de martelo – Brasil/China; Oula Al-Saghir – voz – Palestina/Síria; Paula Mirhan – voz – Brasil; Pedro Ito – bateria – Brasil; Raouf Jemni – kanun turco – Tunísia; Rui Barossi – contrabaixo – Brasil; Yousef Saif – bouzouki – Palestina.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br