Topo
Combate Rock

Combate Rock

PM interrompe show na Av. Paulista no feriado por 'incômodo a escritórios'

Combate Rock

30/01/2019 06h37

Marcelo Moreira

FOTO: REPRODUÇÃO/YOUTUBE)

Foram necessários apenas 25 dias para que as forças fascistas desabassem sobre a classe artística brasileira. Primeiro foi a abjeta censura do governo estadual do Rio de Janeiro contra uma exposição na Casa Brasil-França que abordava a tortura na ditadura brasileira.

No último final de semana, a censura baixou na avenida Paulista, que aos domingos fica fechada ao trânsito e aberta á cultura, ao lazer e à arte. De forma autoritária, a Polícia Militar decidiu expulsar um trio de músico de blues que tocava nas proximidades do Consulado da Itália. O detalhe é que a banda toca no mesmo lugar há quatro anos, desde que a avenida começou a ser utilizada como área de lazer. O caso ocorreu no dia 25 de janeiro, feriado em São Paulo.

A coisa é tão ridícula que foram mobilizadas ao menos quatro carros da PM para remover e intimidar os músicos para não só saíssem do local como parasse de tocar, sem, a possibilidade de se mudar para outro lugar da avenida naquela tarde. "As coisas agora mudaram", teria dito o tenente arrogante da PM ao músico Fábio Pagotto, integrante de uma fusão das bandas Os Perdidos e The Esquina.

"É inacreditável que a PM mobilize, com estardalhaço, quatro viaturas e ao menos policiais para intimidar músicos que supostamente estariam incomodando o cônsul e o embaixador, que estariam no local", diz Pagotto.

A explicação dos policiais é de que teriam recebido uma queixa do consulado de que o som produzido pelos três músicos estariam "incomodando" os trabalhos no consulado, apesar de ser um domingo.

O Combate Rock tentou contato com o consulado da Itália desde a sexta-feira, dia 25 de janeiro. Até agora não tivemos retorno – tomamos conhecimento do problema apenas no começo da noite do feriado.

As áreas de comunicação da Polícia Militar paulista e da Secretaria de Segurança Pública também foram contatadas para comentar a questão, mas até agora não obtivermos reposta, nem por telefone, nem por e-mail.

Os músicos filmaram parte da abordagem policial e contestaram a alegação de que estavam atrapalhando quem quer que seja. "Uma pessoa que afirmou ser funcionária do consulado, em suprema arrogância e acompanhada pelo tenente da PM, gritou que o cônsul e o 'embaixador' estavam incomodados com o o barulho. Em pleno feriado, na avenida Paulista tomada por centenas de bandas e artistas, para não falar na população em geral?", afirmou Pagotto.

O músico ainda relatou ter sido xingado e ironizado pelos policiais a respeito da ação. "Outros músicos não foram abordados, apesar de claramente intimidados. Fui chamado de vagabundo e arruaceiro, quando apenas estava tocando e tentando arrumar uns trocados. Foram várias as vezes em que disseram: 'Agora as coisas mudaram, vamos colocar todo mundo na linha'.  Estavam adorando essa situação."

Desde a campanha eleitoral de 2018 vimos alertando sobre a escalada autoritária e fascista que visava o conhecimento, as artes, a cultura e a educação. Foram muitos os "incidentes" que visavam a censura, a intimidação e o cerceamento das liberdades de imprensa e expressão. Com a vitória da pessoa que ocupa atualmente o Palácio do Planalto, declaradamente preconceituosa, incapaz e disseminadora do ódio, as coisas pioraram muito.

Considero a atitude intimidatória da PM contra os músicos gravíssima, do mesmo porte da censura protagonizada pelo governo estadual do Rio de Janeiro.

Desde a campanha eleitora – e principalmente após a sua vitória em 2018 -, o governador João Doria (PSDB) tem se esforçado por se mostrar "conservador" além da contam, esbarrando nas ações autoritárias, especialmente ao liberar policiais para portar armamento pesado no dia a dia e decretar novas normas absurdas para coibir qualquer tipo de manifestação popular e de protestos.

Nós avisamos que não tardaria para que o rock e a música em geral fossem alvo da sanha autoritária e fascista das autoridades das forças policiais. Não demorou para que isso acontecesse.

Assista abaixo o vídeo gravado pelo músico Fábio Pagotto sobre a ação policial que decretou o fim de sua apresentação musical na avenida Paulista, no dia 25 de janeiro:

<p

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br