PUBLICIDADE
Topo

Melhores álbuns internacionais de 2018 - parte 2

Maurício Gaia

15/01/2019 06h34

Finalizando a seleção dos melhores álbuns lançados no ano passado – e teve bastante coisa, trago aqui os cinco melhores álbuns internacionais de 2018, na minha opinião.

In The Blue Light – Paul Simon

Um dos maiores compositores do século XX decide revisitar canções esquecidas de seu repertório. Ao fazer isso, decide não apenas fazer versões preguiçosas, mas releituras completamente distintas dos originais, dando novo vigor a seu trabalho. Paul Simon, que encerrou em 2018 sua carreira nos palcos, tem, se quiser, fôlego para a segunda década do século XXI.

True Meanings – Paul Weller

Outro veterano, Paul Weller traz em True Meanings, uma visão melancólica da vida e do mundo, talvez sob o olhar da maturidade. Canções pontuadas pelo violão, remetendo ao estilo folk britânico de Nick Drake, o álbum traz ainda uma bela homenagem a David Bowie: "I know it just seems cold to leave see/We all have to go/Believe me/But letting go/Is thanking you".

Tranquility Base Hotel & Casino – The Arctic Monkeys

Muita gente torceu o nariz para este álbum, mas o fato é que Alex Turner apresenta aqui um notável desenvolvimento como compositor. Basicamente composto ao piano, Tranquility Base Hotel & Casino traz os Arctic Monkeys em um tom menos estridentes. Talvez a ausência de riffs ganchudos de hits do passado causem estranheza aos antigos fãs, mas mergulha o ouvinte em novas referências sonoras.


Both Directions At Once – John Coltrane

Normalmente, "gravações perdidas" pouco acrescentam à discografia de um artista, ainda mais de um nome que revolucionou, ainda em vida, um gênero musical que tem como característica principal a permanente (r)evolução. Não é o caso de "Both Directions At Once", conjunto de gravações de 1963, feitas pelo quarteto "clássico" de John Coltrane: Jimmy Garrison (baixo), Elvin Jones (bateria), McCoy Tyner (piano), além do próprio Coltrane.
Aqui, capturamos Coltrane em um ponto em que, a partir dali, tudo seria diferente: de um lado, as canções tradicionais, com suas estruturas bem definidas ao ouvinte e, de outro, o experimentalismo e a radicalização sonora que ele passou a buscar a partir dali, até o fim de sua vida.

Heaven & Earth – Kamasi Washington

Se, em muitas vezes, o blues parece um gênero que se tornou mumificado, o jazz continua ousado e inovador e um de seus principais nomes na atualidade é Kamasi Washington. O saxofonista americano traz no álbum "Heaven & Earth" uma mistura de afrobeat, hip hop, ritmos caribenhos, ecos de brasilidade, entre outros, mas mantendo suas raízes no jazz. Um disco para ouvir em qualquer situação.


Please Don't Be Dead – Fantastic Negrito

Justamente, um dos casos em que o blues apresenta uma inovação com relação aos seus cânones. Fantastic Negrito, o nome artístico de Xavier Amin Dphrepaulezz, traz em seu terceiro álbum uma mistura quente de blues, r&b, funk e rock, com muito groove e timbres inusitados. Se o blues tem salvação, ela passa por Fantastic Negrito.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock