PUBLICIDADE
Topo

Combate Rock

Com pouco conteúdo e crônicas esparsas, livro de Bruce Dickinson decepciona

Combate Rock

04/05/2018 06h32

Marcelo Moreira

Era um dos livros mais esperados pelos apreciadores de rock: que tipo de segredos ele vai contar sobre o Iron Maiden?

A resposta? Nenhum segredo. Bruce Dickinson decepcionou em "Para Que Serve Esse Botão – Bruce Dickinson – A Autobiografia", publicado aqui pela editora Intrínseca.

A ideia do cantor do Maiden era soar despretensioso e engraçado, apostando em um formato que alguns astros da música têm optado, o da crônica autobiográfica, ou seja, reúne uma série de histórias com alguma ordem cronológica, mas sem tanto rigor biográfico.

O texto é ágil e recheado de sarcasmo, mas em nenhum momento arrebata. Há Iron Maiden de menos e aviação demais ao longo de 300 páginas.

Dickinson exagera na descrição de fatos de sua adolescência sem grande importância e menospreza os impactos que quatro anos de colégio interno tiveram em sua formação.

Assim, passa como um trator sobre a sua formação musical e seu início na carreira de cantor, assim como é bastante econômico ao narrar sua entrada no Iron Maiden, em 1981.

Dá alguns detalhes da conversa com o empresário Rod Smallwood debaixo de um poste de iluminação no Reading Festival daquele ano, mas é decepcionantemente econômico ao contar quase nada do cotidiano de seus primeiros meses com a banda.

De forma esquisita, ele praticamente equipara as atividades de jogador de esgrima e piloto de aviação comercial ao de vocalista de uma das melhores bandas de rock de todos os tempos. Ou seja, ele gastou tinta demais com o esporte e a sua atividade que parecia ser hobby do que com a sua atração principal.

Em meio a descrições nada encorajadoras de suas aulas de pilotagem e das dificuldades de conciliar as agendas da pilotagem, das aulas de esgrima e das turnês, Bruce dedicou apenas meia página para contar como decidiu sair do grupo em 1992 – depois de ler uma citação do escritor Henry Miller no jornal "Los Angeles Times". Apenas meia página.

Foi igualmente sucinto e econômico ao descrever, como se fosse um fato sem importância, as tratativas de sua volta à banda – mera página e meia. E, mais pavoroso ainda, não há nada a respeito de sua relação com o baixista Steve Harris, fundador e líder do Iron Maiden. No máximo, oito linhas a respeito do diálogo insosso quando de sua volta, em 1999.

Pelo menos uma coisa a autobiografia de Dickinson segue à risca o padrão dos livros a respeito do Iron Maiden: a falta de surpresas e de informações relevantes sobre os fatos cruciais da história do conjunto.

O cantor dedica um capítulo inteiro a sua viagem à Bósnia em guerra, em 1995, para fazer um concerto, mas é bastante reticente ao destrinchar om processo de composição de alguns dos álbuns do Maiden – prefere contar causos sem graça a respeito das excentricidades do produtor Martin Birch (Deep Purple, Black Sabbath, Uriah Heep), por exemplo.

Família? Esqueça. Ele conta algumas passagens de sua infância, sobre como os tios eram engraçados e da perturbação que era ficar mudando de casa até os 12 anos de idade. Esposa e filhos? Namoradas? Nem sinal.

Por ser considerado um intelectual entre os artistas de rock, formado em história (ele menospreza esse fato no livro e diz que fez o curso de forma "chutada"), esportista quase olímpico e homem de multitarefas, romancista, roteirista de documentários e apresentador de programa de rádio, escreveu um livro pouco esclarecedor e com um conteúdo muito aquém do era esperado.

A obra é uma sucessão de crônicas esparsas sobre suas múltiplas atividades. A música ficou em segundo plano, já que o autor tentou se esforçar para se mostrar menos interessante do que realmente. Uma ótima oportunidade perdida para descrever o funcionamento, o cotidiano e os relacionamentos dentro  do Iron Maiden.

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock