Combate Rock

Folk Brasil: a sensível beleza das canções de Fabiano Negri e Cartoon

Combate Rock

17/04/2018 06h29

Marcelo Moreira

Fabiano Negri FOTO: DIVULGAÇÃO, TAMBÉM É A CAPA DO NOVO DISCO)

Para um bastou um violão e um timbre inacreditável obtido em um estúdio simples; para os outros, foram necessários anos de maturação e de procura por novos caminhos (nem tão novos assim). Os resultados foram parecidos: coleções de músicas belas e sensíveis perpetradas pelo campineiro Fabiano Negri e pelo quarteto mineiro Cartoon.

Negri é um artista polivalente que trafega em diversos meios. Amante do hard rock setentista, fã de Deep Purple e Black Sabbath, também venera David Bowie e gosta de música negra e dançante.

Esse caldo misturado rendeu três  ótimos álbuns nos últimos três anos – “Maybe We Have a Good Time… for the Last Time”, de 2014, onde a base é o funk setentista e o rhythm & blues, “Z.3.R.O.”, de 2015, que é mais experimental e eletrônico, e “When Nothing Is Right, Anything Is Possible”, de 2017, onde o multi-instrumentista e produtor abraça o rock dos anos delirantes da década de 1960.

Agora, com “The Lonely Ones”, o folk de inspiração norte-americana é a bola da vez. Negri toca violão intencionalmente como um bardo.

Artista versátil, aqui ele dá mais espaço para a canção e para o conteúdo, deixando a música fluir, escanteando as questões técnicas, digamos assim. O feeling obtido nas gravações é impressionante.

A própria maneira de cantar deste ex-vocalista da banda de rock peado Rei Lagarto o credencia para voos maiores neste segmento musical pouquíssimo explorado no Brasil.

Bem longe da música brasileira de raiz, a anos-luz do sertanejo e flertando com o rock rural de vez em quando, Negri optou por um caminho obscuro e temeroso, um folk inspirado em Bob Dylan, Woody Guthrie e no blueseiro folk Leadbelly, ainda que sua pegada no violão seja mais moderna e melódica.

“The Lonely Ones” resultou em um punhado de canções delicadas e sensíveis, com letras muito acima da média, em inglês, em relação aos artistas que se aventuram pelo segmento.

A bela “All Those Minds” é o maior destaque, com seu timbre poderoso e sua estrutura melódica que remete aos bons momentos de Dylan na virada dos anos 60 para os 70. É melancólica, tristonha, mas tem uma força incomum – gruda na mente.

“Lost Strangers” e “Behind the Sun”, uma seguida da outra, explora bem a contradição musical. Negri é habilidoso, gosta de jogar com sentimentos variados, o que é um grande trunfo para um compositor que não hesita em ousar.

A sequência final, com Bad Love Song”, “Morning Rain” e “Let There Be Life” formam quase uma suíte, expondo muito sentimento e procurando olhar o cotidiano de outro modo, uma amostra mais refinada e sofisticada da habilidade musical de um artista inquieto e que precisa ser apreciado por um número maior de pessoas.

Os mineiros do Cartoon chegam ao quinto álbum também repaginando o som, deixando um pouquinho o rock de lado e investindo no folk, em um mergulho no universo em que este gênero cruza com a country music e com o folk britânico.

Conhecidos como uma banda que flertou muito tempo com o rock progressivo, o Cartoon vai fundo na exploração dos timbres que esbarram também na música celta. Não é à toa que há uma profusão de belos arranjos de cordas, cortesia do grupo mineiro Rockin’ Strings.

Com execução dos temas de forma primorosa, muitas das canções de “V”, o m ais recente álbum, imediatamente revelam parentesco com Fairport Convention, Fotheringay e a carreira solo da maravilhosa cantora inglesa Sandy Denny, para não falar do guitarrista inglês Bert Jansch, um dos heróis de Jimmy Page (ex-Led Zeppelin).

“Nosso quinto disco já é um disco que praticamente não tem essa veia do rock progressivo de forma explícita. A gente continua sendo uma banda que trabalha muito os arranjos, que tenta colocar os arranjos da forma mais rica e bonita possível, mas o foco de agora são as canções. As músicas estão mais despidas de excessos, são mais diretas e com arranjos que não necessariamente lembram o rock progressivo. Tem mais cara de folk e com outras influências, muita coisa do rock também”, disse o vocalista e baixista Khadhu Capanema ao portal do jornal mineiro “O Tempo”.

Um produção viabilizada por uma campanha de financiamento coletivo, “V” testa os limites das influências do quarteto e coloca a banda em um patamar diferente.

É o que observamos, por exemplo, na faixa de abertura, “A Dream of Hope”, com um extraordinário trabalho de vocais e cordas. Assim como em outras músicas, há muitos ecos dos Eagles.

“Brother Richard” e “Fanding and Fading” são quase irmãs, com estruturas parecidas e arranjos delicados, lembrando em alguns momentos os primeiros trabalhos de Simon & Garfunkel.

“Sweet, Sweet Dreams” é uma abalada folk por excelência, com os violões em destaque e uma levada celta bem bacana. outra que merece destaque é “Free Your Mind”, que exala Yes e Jethro Tull, recuperando um pouco o passado progressivo da banda. É um álbum muito agradável de se ouvir.

 

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Mayhem, Ratos de Porão, Grinding Reaction, Overshad...

– De volta Brasil, em turnê que retorna ao Rio de Janeiro, no dia 8 de junho, os noruegueses do Mayhem trazem ao Cais da Imperatriz o segundo ato da turnê comemorativa do álbum. Ingressos já à venda a preço promocional somente online: http://bit.ly/mayhem-rj. O Mayhem está revigorado. Desde a primeira turnê mundial para celebrar a longevidade e relevância de “De Mysteriis Dom Sathanas”, o mais recente álbum, a lenda norueguesa oferece - e com sucesso - a experiência de assistir a um espetáculo grandioso sobre um álbum lançado em 1994, repleto de blastbeats, riffs cortantes e vocais agressivos. Mais de duas décadas depois, estes elementos tão intrínsecos ao black metal soam ainda mais explosivos e esmagadores quando executados ao vivo pelo Mayhem de hoje, no melhor conceito de orquestra infernal. A formação do Mayhem que volta ao Rio de Janeiro é bastante relevante à história de De Mysteriis Dom Sathanas, apesar das baixas que rondaram a produção do álbum, que por meandros perturbadores levaram às mortes do guitarrista fundador Euronymous e do vocalista Dead, e ao envolvimento de Varg Vikernes (Burzum, ex-baixista do Mayhem, quando usava o pseudônimo Count Grishnackh). A produção do show na capital carioca é da Headbanger Produções com apoio da Abraxas. Hellhammer, o baterista original, comanda o Mayhem ao lado do também membro fundador, o baixista Necrobutcher. Nos vocais, quem alinha a missa negra é Attila Csihar, o vocalista original de De Mysteriis Dom Sathanas e que retornou à banda em 2004. Os guitarristas, no Mayhem desde o início desta década, são Teloch (que já foi integrante de palcos do 1349 e Gorgoroth) e Ghul (ex-Cradle of Filth).

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Leather Leone, Save Our Souls, Macumbazilla...

– A cantora norte-americana Leather Leone está lançando seu segundo álbum, simplesmente intitulado "II". O selo Abigail Records acaba de disponibilizar o link para a pré-venda de "II". A versão brasileira será a única no formato digipack - já que no resto do mundo ele será lançado em caixinha de acrílico - e quem comprar essa edição nacional pelo site da gravadora, receberá um pôster exclusivo. Link para compra na pré-venda: http://abigailrecords.bigcartel.com/product/leather-leone-ii. O disco marca a nova fase da vocalista norte americana, que gravou ao lado de uma banda formada pelos experientes músicos brasileiros; Vinnie Tex (guitarra), Daemon Ross (guitarra), Thiago Velasquez (baixo) e Braulio Drummond (bateria). Assista o lyric vídeo de "Lost At Midnite", primeiro single de "II", que tem data de lançamento marcada para o dia 13 de Abril - inclusive, lançamento mundial: https://www.youtube.com/watch?v=y5HbAWfllfg. Leather Leone foi vocalista da banda do guitarrista David T. Chastain, que levava seu nome, Chastain - que no Brasil fez bastante sucesso nos anos 80, com os álbuns "Ruler of the Wasteland" (86), "The 7th Of Never" (87) e "The Voice Of The Cult" (88). Com essa banda ela lançou sete álbuns - Leather esteve na banda, de 1985 a 1990, retornando em 2013. Seu primeiro álbum solo, "Shock Waves" foi lançado em 1989. Pela banda Sledge Leather ela lançou apenas um álbum, "Imagine Me Alive" (2012) - nessa banda o baixista era Jimmy Bain (R.I.P.), ex-Dio.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo