Topo
Combate Rock

Combate Rock

Cólera homenageia Redson com paixão em novo álbum

Combate Rock

16/04/2018 06h38

Marcelo Moreira

O objetivo era celebrar e homenagear o grande líder morto há alguns anos, mas a ideia de se reagrupar deu tão certo que superou as expectativas. E “Acorde! Acorde! Acorde!'', do Cólera, deu um sopro de vida ao punk nacional, que anda meio encolhido ultimamente.

Ao lado dos Garotos Podres, que finalmente voltou a ter José Rodrigues “Mao'' nos vocais, o Cólera mantém a chama do punk oitentista e com letras de protesto quem casam bem com o momento atual.

A homenagem a Redson, o líder e vocalista morto em 2011, está presente em quase todas as músicas, principalmente naquelas em que a crítica social e o protesto aparecem seguidas de esperança e fé em um futuro melhor.

Apesar do clima saudosista e de soar, em alguns momentos, propositalmente datado, é um agradável de se ouvir. É punk legítimo e sem firulas: combativo, agitado e festeiro.

“Caos'' é a faixa que talvez simbolize a fase que a banda vive, com muita energia e guitarras cortantes. É veloz, é pesada mostra um entrosamento elevado da atual formação – Pierre na bateria, Val no baixo, Fabio na guitarra e Wendel nos vocais.

O DNA de Redson pode ser encontrado em quase todo o álbum. Morto em 2011, ele começou a rascunhar as primeiras letras ainda em 2006. Já planejava o conceito do que viria a ser “Acorde! Acorde! Acorde!''.

A partir dos rascunhos, letras e algumas gravações ainda com Redson, a atual formação compôs as 13 novas músicas que compõe esse novo trabalho.

“Acorde! Acorde! Acorde!'' também conta com a “Ópera Do Caos'' conceito desenvolvido pelo Redson — que agrupa cinco dessas novas faixas na forma de uma miniópera punk.

Por mais que o punk puro exploda nas caixas de som, é possível identificar uma variedade de influências no novo álbum, que também remetem às experiências sonoras que várias bandas experimentaram na época. Tem ska, tem reggae e tem a adição de arranjos de sopros, com uma profusão de trombones, saxofones e trompetes.

Fazia 14 anos que a banda não lançava um álbum com músicas inéditas. Há um ar de urgência nas músicas e nas execuções, há um sopro de “quero bastante e quero mais''. O quarteto mostrou gana de fazer música pesada e relevante e transpira sinceridade em cada nota tocada.

Por mais que o climão seja dos anos 80, qualquer comparação com os anos Redson é indevida. Cérebro e alma de um grupo importantíssimo, o ex-vocalista deixou um grande legado para o punk nacional e para o quarteto que decidiu levar o Cólera à frente.

Não se trata de uma banda cover de si mesmo. Pode até ser “outra'' banda usando o nome Cólera, mas o faz com tamanha qualidade e paixão que não poderia haver homenagem maior a Redson e ao punk nacional.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br