Topo
Combate Rock

Combate Rock

Notável e atual, 'Dark Side of the Moon', do Pink Floyd, chega aos 45 anos

Combate Rock

02/03/2018 07h03

Marcelo Moreira


Uma elegia à modernidade ou uma contundente crítica ao estresse da vida moderna e à constante sensação de que a vida está mais acelerada e passando mais rápido?

Dependendo da época e do ponto de vista de espectadores e de seus criadores, "The Dark Side of the Moon" ganha novas cores e diferentes interpretações.

O fantástico álbum do Pink Floyd, provavelmente a sua obra máxima, foi lançado no começo de março há 45 anos e foi alçado a um disco de "inspiração acadêmica", digamos assim: não se sabe ao certo quantas dissertações de mestrado, doutorado e pós-doutorado ele deu origem.

Em "The Dark Side of the Moon – Os Bastidores da Obra-Prima do Pink Floyd", de John Harris, traça um panorama preciso de como surgiram as primeiras ideias para o trabalho, ainda em 1971, com a curiosidade de que as sessões de gravação e composição era frequentemente interrompidas – o baixista e vocalista Roger Waters não perdia um jogo do Arsenal, popular clube de futebol de Londres, que acabaria sendo campeão inglês naquele ano após 18 anos de fila.

Havia ambição e ousadia, diziam os músicos, mas o conceito do álbum só viria mais tarde, após intensas sessões de composição e gravação muitas vezes infrutíferas.

"Muitas vezes era exasperante enfrentar horas de estúdio e um perfeccionismo de todos, mas chegou um momento em que as coisas fluíram bem", narra o baterista Nick Mason em seu livro de memórias, "Inside Out", já lançado no Brasil.

O objetivo inicial do grupo era criar um álbum mais palatável, diferente dos anteriores "Atom Heart Mother" e "Meedle". Mas como fazer isso sem perder as qualidades de produção e criação de seus membros?

Na obra de Harris, o engenheiro de som Alan Parsons (que mais tarde criaria o Alan Parsons Project) conta como a elaboração do álbum se tornou um jogo de xadrez para que todos se sentissem contemplados e satisfeitos.

Ex-membro da equipe que trabalhou nas últimas obras dos Beatles, Parsons traçou vários paralelos entre os procedimentos e a forma de como a duas bandas trabalhavam.

"Havia sempre uma usina de ideias nos dois ambientes, não havia limites para a inspiração e a criatividade. Era muito duro e cansativo, mas ao mesmo estimulante. Todo mundo seguia em frente e buscava oferecer coisas novas", diz o engenheiro.

Se o álbum não era conceitual na forma, como "Tommy", do Who, o era na essência, com alguns temas permeando as músicas, que abordam a ganância, passagem do tempo, insanidade, morte, conflitos diversos e, n limite, a loucura.

Alan Parsons é uma das chaves para ao sucesso da obra, com suas aventuras no estúdio em busca de novas sonoridades em uma gravação em 16 canais.

O então engenheiro de som até hoje fica abismado com os sons que as várias versões remasterizadas de "Dark Side" ressaltam. Em um especial para a TV inglesa sobre o Pink Floyd, soltou uma pérola: "Muitas vezes eu me pergunto como conseguimos fazer as coisas que fizemos. A cada audição é uma surpresa."

"The Dark Side of The Moon" foi o maior sucesso comercial do Pink Floyd, com vendas que superaram os 50 milhões de cópias físicas no mundo e alcançado o recorde da revista Billboard de tempo seguido na lista de discos mais vendidos.

O álbum ficou 741 semanas consecutivas, entre 1973 e 1988 no chart de LP & Tapes e ainda hoje é um dos mais vendidos da Amazon, iTunes e em diferentes formatos – MP3, vinil e CD.

 

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br