Combate Rock

Sem Glenn Tipton, Judas Priest perde sua característica mais marcante

Combate Rock

13/02/2018 07h00

Marcelo Moreira

Glenn Tipton (FOTO: DIVULGAÇÃO)

A sequência de más notícias não para. Enquanto o AC/DC está em compasso de espera para que Angus Yong decida se haverá novo álbum e turnê, tendo Axl Rose como vocalista, outro gigante anuncia que temos complicados estão por vir.

O Judas Priest anunciou nas redes sociais que Glenn Tipton, o guitarrista solo e líder do grupo, há anos luta contra o Mal de Parkinson, um doença degenerativa que limita os movimentos do corpo.

A banda lança em breve o seu novo álbum, “Firepower”, onde Titpon teve a participação fundamental e habitual de sempre, mas o comunicado adianta que o guitarrista certamente terá problemas para tocar certas canções do vasto repertório de quase 50 anos do Judas.

Depois da saída de K. K. Downing, o guitarrista base, há três anos, está é a notícia mais complicada envolvendo uma grande banda de heavy metal da história – nem colocamos a morte de Malcolm Young aqui porque ele já estava afastado do AC/DC quando morreu.

Segundo a imprensa inglesa, a doença de Tipton não era necessariamente um grande segredo, mas a banda se manteve discreta a respeito.

No entanto, ficou claro que o estado do guitarrista, de 70 anos, se agravou nos últimos 12 meses, fazendo com que ele mesmo tomasse a decisão de não participar da turnê do novo disco.

O substituto temporário será o guitarrista e produtor inglês Andy Sneap, muito conhecido por ser o colaborador nos estúdio e na produção d diversas bandas importantes dos ano 90 e 2000.

Provavelmente assumirá as partes de Tipton, enquanto Richie Faulkner, que substituiu Downing, ficará com a base, como tem sido ultimamente.

Ainda há dúvidas se o Judas Priest continuará na ativa após a turnê “Firepower”, já que o comunicado da banda é evasivo a esse respeito. O texto deixa em aberto a possibilidade de Tipton trabalhar em estúdio com a banda em ao menos mais um álbum.

Quando entrou para o Judas, em 1974, Tipton estabeleceu, ao lado do fundador Downing, um padrão elevado do que se convencionou chamar de “guitarras gêmeas”, algo que já tinha sido feito pela também banda inglesa de rock progressivo Wishbone Ash.

Embora com evidentes diferenças e peculiaridades, a dupla serviu de modelo, até certo ponto, para outros gigantes do metal, como Iron Maiden e Saxon, colocando tal padrão de forma definitiva para parte expressiva dos artistas da chamada NWBOHM (New Wave of British Heavy Metal).

 

 

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Mayhem, Ratos de Porão, Grinding Reaction, Overshad...

– De volta Brasil, em turnê que retorna ao Rio de Janeiro, no dia 8 de junho, os noruegueses do Mayhem trazem ao Cais da Imperatriz o segundo ato da turnê comemorativa do álbum. Ingressos já à venda a preço promocional somente online: http://bit.ly/mayhem-rj. O Mayhem está revigorado. Desde a primeira turnê mundial para celebrar a longevidade e relevância de “De Mysteriis Dom Sathanas”, o mais recente álbum, a lenda norueguesa oferece - e com sucesso - a experiência de assistir a um espetáculo grandioso sobre um álbum lançado em 1994, repleto de blastbeats, riffs cortantes e vocais agressivos. Mais de duas décadas depois, estes elementos tão intrínsecos ao black metal soam ainda mais explosivos e esmagadores quando executados ao vivo pelo Mayhem de hoje, no melhor conceito de orquestra infernal. A formação do Mayhem que volta ao Rio de Janeiro é bastante relevante à história de De Mysteriis Dom Sathanas, apesar das baixas que rondaram a produção do álbum, que por meandros perturbadores levaram às mortes do guitarrista fundador Euronymous e do vocalista Dead, e ao envolvimento de Varg Vikernes (Burzum, ex-baixista do Mayhem, quando usava o pseudônimo Count Grishnackh). A produção do show na capital carioca é da Headbanger Produções com apoio da Abraxas. Hellhammer, o baterista original, comanda o Mayhem ao lado do também membro fundador, o baixista Necrobutcher. Nos vocais, quem alinha a missa negra é Attila Csihar, o vocalista original de De Mysteriis Dom Sathanas e que retornou à banda em 2004. Os guitarristas, no Mayhem desde o início desta década, são Teloch (que já foi integrante de palcos do 1349 e Gorgoroth) e Ghul (ex-Cradle of Filth).

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Leather Leone, Save Our Souls, Macumbazilla...

– A cantora norte-americana Leather Leone está lançando seu segundo álbum, simplesmente intitulado "II". O selo Abigail Records acaba de disponibilizar o link para a pré-venda de "II". A versão brasileira será a única no formato digipack - já que no resto do mundo ele será lançado em caixinha de acrílico - e quem comprar essa edição nacional pelo site da gravadora, receberá um pôster exclusivo. Link para compra na pré-venda: http://abigailrecords.bigcartel.com/product/leather-leone-ii. O disco marca a nova fase da vocalista norte americana, que gravou ao lado de uma banda formada pelos experientes músicos brasileiros; Vinnie Tex (guitarra), Daemon Ross (guitarra), Thiago Velasquez (baixo) e Braulio Drummond (bateria). Assista o lyric vídeo de "Lost At Midnite", primeiro single de "II", que tem data de lançamento marcada para o dia 13 de Abril - inclusive, lançamento mundial: https://www.youtube.com/watch?v=y5HbAWfllfg. Leather Leone foi vocalista da banda do guitarrista David T. Chastain, que levava seu nome, Chastain - que no Brasil fez bastante sucesso nos anos 80, com os álbuns "Ruler of the Wasteland" (86), "The 7th Of Never" (87) e "The Voice Of The Cult" (88). Com essa banda ela lançou sete álbuns - Leather esteve na banda, de 1985 a 1990, retornando em 2013. Seu primeiro álbum solo, "Shock Waves" foi lançado em 1989. Pela banda Sledge Leather ela lançou apenas um álbum, "Imagine Me Alive" (2012) - nessa banda o baixista era Jimmy Bain (R.I.P.), ex-Dio.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo