Combate Rock

Violência, fúria e peso descomunal dão brilho ao ótimo 'Bloodlust', do Body Count

Combate Rock

10/04/2017 06h26

Marcelo Moreira

Uma ode à violência sonora e uma metralhadora destruidora e implacável. Em um mundo polarizado e intolerante, “Bloodlust”, do Body Count, não ajuda em nada no sentido de pacificar, mas se tornou um instrumento extraordinário de posicionamento sociopolítico em tempos de Trumps, Dorias e Bolsonaros.

Fazia muito tempo que o rock não produzia um trabalho tão contundente politicamente, com mensagens duras e até ameaçadoras. Fazia muito mais tempo ainda que uma banda de rock não fazia um som tão pesado e devastador.

Body Count, Body Count, Body Count… o mantra da primeira faixa do primeiro disco, lá nos anos 90, vem à cabeça diante de tamanho poder de fogo mostrado em “Bloodlust”, com seus ataques frontais à polícia norte-americana e aos políticos conservadores que tramam contra os parcos direitos sociais adquiridos pelos pobres e pela população negra.

Ironia das ironias, o vocal vociferado e berrado é o do rapper Ice-T, aquele mesmo quye cantou com o Body Count a faixa “Cop Killer” mais de 20 anos atrás. E não é que o rapper que virou ator louco para matar tirads hoje encarna um policial durão do bem na série “Law and Order”??????

Ice-T mandou pro inferno a ironia e atira para todos os lados em “Bloodlust”, com a felicidade de acertar todos os tiros. Todos os seus vocais mostram fúria, desprezo e ódio, ignorando métricas e atropelando as palavras.

Discursa como um rapper ensandecido em cima de bases que misturam thrash metal, death metal, hardcore, tudo isso empurrado por guitarras demolidoras. O cantor politizado Zack de la Rocha, do engajado e ótimo Rage Against the Machine, fica parecendo uma Adele diante de tamanha fúria e violência.

O clima é de guerra civil, como se observa já na abertura da primeira faixa, “Civil War”, que proclama o levante contra os opressores, tudo permeado com a guitarra cortante do convidado Dave Mustaine (Megadeth).

“The Ski Mask Away” e “This Is Why We Ride” não permitem tempo para respirar, mantendo o clima insano e de alerta total, como uma avalanche sonora que desemboca no apocalipse de “All Love Is Lost”, onde o convidado Max Cavalera (ex-Sepultura e atual Soulfly) ajuda na demolição, só que colocando um pouco mais de groove.

Com o mundo desabando, e estamos falando apenas na quarta música, como manter o pique em alto nível por sete canções? Como ser virulento e irado em se tornar repetitivo?

Parece não ter sido o problema para Ice-T. Raiva não lhe falta, muito assunto e alvos. Corporações, políticos, bancos, militares, policiais, traidores do povo… ninguém foi poupado. De forma velada, sobrou até para algumas políticas implementadas por Barack Obama, o primeiro presidente norte-americano negro.

Entremeando fragmentos de discursos entre algumas músicas, ao menos três instituições mereceram elogios do rapper: o metal, citado como uma grande influência, e os mestres do Black Sabbath e do Slayer.

E tome-lhe paulada atrá de paulada. “Raining in Blood/Postmortem”, inclusive, é uma bela homenagem ao Slayer, com sua levada veloz, de tirar o fôlego, e vocais urrados e pesados.

“God, Please Believe Me” é um grito de desespero, com suas guitarras e o baixo densos e asfixiantes, criando um clima claustrofóbico e desesperador.

Body Count (FOTO: DIVULGAÇÃO)

“Walk with Me”, com a participação de Randy Blythe, só “piora” as coisas, aumentando a claustrofobia e o peso das guitarras, com sua levada mais cadenciada.

“Here I Go Again” e “No Lives Matter” conseguem manter o peso e a qualidade, mas o Body Count dá sinais aqui de que desacelera, como não se não estivesse conseguindo manter o ritmo e a pegada – pudera, coma sequência matadora de ótimas músicas, seria natural uma caída.

A impressão é essa, mas é só impressão, talvez uma dose de água para mais avalanche sonora com a excelente e pesadíssima “Bloodlust” e a insana “Black Hoodie”, que fecha o trabalho.

Esqueça qualquer elogio feito a qualquer conexão entre rock e rap/hip hop. Ela é definitiva com Body Count, hoje um sexteto formado por músicos negros e mestres em seus instrumentos.

São rappers do primeiro time do gênero que adoram heavy metal, ainda hoje considerado por certos setores roqueiros como um ambiente hostil a músicos negros, o que é uma imensa bobagem, como já provaram Living Colour, Bad Brains, Hirax, Death (o trio punk negro de Detroit, não a banda de death metal da Flórida), Animal as Leaders e muitos ooutros.

Metallica, Megadeth, Metal Church, Overkill e Anthrax produziram ótimis álbuns nos últimos dois anos, revigorando, de certa forma, o metal clássico e o thrash metal, mas há muito tempo não surgia algo tão poderoso como “Bloodlust”, do Body Count.

Depois de mais de uma década sem gravar e com Ice-T priorizando a carreira de ator e se dedicando mais ao rap, o Body Count ressurgiu em 2014 com o mediano “Manslaughter”, um álbum irregular que pretendeu inserir altas doses de hip hop em cima de bases pesadas, sem falar na falta de inspiração nos temas e nas letras.

A banda parecia enferrujada, e Ice-T percebeu isso. Caiu de cabeça no metal e protagoniza, em “Bloodlust”, um dos trabalhos mais instigantes e violentos dos últimos tempos.

Escute abaixo o álbum na íntegra:

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo