Combate Rock

Psicodella: estréia em disco autoral com muita energia - Parte 2

Combate Rock

20/11/2016 15h48

Julio Verdi – do blog Ready to Rock

Leia a seguir a entrevista com o guitarrista da banda Psicodella, Walter Poletti:

Ready to Rock – Primeiramente, uma questão óbvia: depois de muitos anos como Torn, por que a banda mudou para Psicodella, e qual o motivo dessa escolha?

Walter Poletti – Sempre pensamos em desenvolver um trabalho autoral, ainda antes do retorno da banda Torn, em 2011. Entre os anos de 2008 e 2010, com a extinta Don Crookane, gravamos um EP com três composições, sendo duas lançadas numa compilação tributo ao AC/DC pelo selo Versailles Records, situado em Nashville/EUA (http://www.allmusic.com/album/rock-roll-train-a-millennium-tribute-to-ac-dc-mw0002050820). Até que, no início de 2016, quando decidimos registrar as novas composições e o nome da banda, alguns empecilhos com a “marca” nos obrigaram a mudar. O nome Psicodellafoi o que, dentre tantas opções, soou melhor a nossos ouvidos, talvez por lembrar psicodelia, rock and roll.

RR – A banda atingiu a tão sonhada meta de um CD autoral. Como é a sensação de atingir essa meta?

WP – Esse era um dos principais objetivos da Psicodella: entrar em estúdio e trabalhar suas próprias composições é uma sensação única; é indescritível ver e ouvir o produto final.

RR – O disco é muito bem produzido, em se tratando de composições, arranjos, qualidade sonora. Até que ponto o estúdio dos Busic ajudou nesse sentido?

WP – Conhecemos os irmãos Busic quando abrimos shows da Dr. Sin, em 2008 (no Toma-Rock, São José do Rio Preto/SP) e em 2009 (no Under Rock Bar, Bauru/SP). O respeito mútuo foi instantâneo e, desde então, mantivemos contato. Quando decidimos gravar com um produtor renomado, Andria Busic foi o principal nome: ele tem mais de 25 anos de carreira, experiência internacional, foi eleito várias vezes o melhor baixista do Brasil, dividiu palco com artistas como Ian Gillan, Nirvana, Black Sabbath, KISS, Bon Jovi, AC/DC, Bruce Dickinson, Scorpions, Dio, Whitesnake e Aerosmith. Seu conhecimento musical, na teoria e na prática, além da estrutura disponível no Mr. Som Estúdio e o atendimento amistoso nos proporcionaram o timbre e a mixagem que tanto almejávamos.

RR – Andria fez o baixo do disco. Ele, como produtor, mudou algum detalhe nas ideias originais do álbum?

WP – Entramos em estúdio sem baixista e, surpreendentemente, Andria Busic se propôs a gravar todas as linhas, que ficaram fantásticas! Muitos arranjos, melodias e ritmos foram sugestões dele, das quais acatamos sem hesitação. Como ele já conhecia nosso estilo, pôde nos levar, musicalmente, ao ponto que queríamos.

RR – Sinto a influência de alguns nomes no seu trabalho, como por exemplo, de AC/DC em “Way to Go” (no riffs e no solo). Até que ponto as influências de vocês atuaram na concepção das músicas?

WP – Como guitarrista e principal compositor do grupo, sou fã de AC/DC – inclusive tenho os autógrafos de Angus Young & Cia. tatuados em meus braços e costas. Porém, outros artistas, principalmente do “Classic Rock”, também influenciam diretamente a banda como um todo: Black Sabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Iron Maiden, System of a Down.

Psicodella (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Psicodella (FOTO: DIVULGAÇÃO)

RR – Ao longo do disco, nos deparamos com temas mais acessíveis e diretos, como “Só Guardo o Que é Bom” ou “Até Logo”. Outros já soam mais agressivos e pesados como “Te Salvar” e “Do Meu Jeito”. Como funcionou o processo de composição?

WP – Não nos policiamos nem “forçamos a barra” para compor, apenas deixamos fluir nossa maneira de tocar e tudo aconteceu naturalmente – tanto os riffs, arranjos e melodias quanto as letras, onde buscamos expressar aquilo que passamos no dia-a-dia, tanto como cidadãos quanto nos relacionamentos, no trabalho, na estrada.



RR – Existe sempre a controversa discussão entre ser uma banda autoral ou de covers. Durantes muitos anos, vocês atuaram pela segunda categoria. Agora, com um álbum lançado, existe tranquilidade em misturar os dois modelos nos shows?

WP – Sempre tocamos nossos singles “#nuncaserão” (https://youtu.be/6k9TqOcN7C8), “Até logo” e “Só guardo o que é bom” nos shows; “Way to go” e “Quem vai nos ouvir” frequentemente aparecem no set list também. A resposta tem sido extremamente positiva: durante os intervalos, vendemos CDs para o público – foram aproximadamente 500 cópias em menos de 4 meses (o álbum está disponível para download em https://onerpm.com/disco/album&album_number=7565114440). Vale ressaltar que algumas rádios da região e da web (Educativa FM, Unifev, Web FM) têm executado essas canções. Quanto aos “covers”, são mais de 200 clássicos do rock internacional no repertório, além de alguns hits do rock nacional.

RR – Quais músicas funcionam melhor ao vivo?

WP – Curtimos muito estar no palco, tocar ao vivo; há muita energia em todas as faixas, gostamos delas e as tocamos da melhor maneira, mas certamente “#nuncaserão” e “Até logo” funcionam muito bem, talvez por haver uma identificação imediata do público com as letras.Entre os covers, “Highway to hell” (AC/DC), “Psycho killer” (Talking Heads), “Iron man” (Black Sabbath), “Killing in the name” (Rage Against the Machine) e “Chop Suey!” (System of a Down) são sempre certeiros.

RR – Qual a expectativa em divulgar o disco além das fronteiras de Rio Preto?

WP – Além de Rio Preto, temos um público fiel no interior de São Paulo: Fernandópolis, Jales, Votuporanga e Pereira Barreto, por exemplo, entre outras cidades, como Mirassol, São Caetano do Sul, Uchoa, Novo Horizonte, Urupês, Catanduva e até Paranaíba/MS. O objetivo agora é expandir e alcançar novos destinos.

RR – Como você avalia a cena do rock de Rio Preto, seja autoral ou cover?

WP – Positivamente! Após certa “estagnação”, a “cena” voltou a crescer e, atualmente, há muitas casas que apostam no rock em São José do Rio Preto/SP, inclusive para apresentações de música autoral.

RR – Você acredita que o fato de ter uma mulher como vocalista pode representar um ponto mais forte para que as pessoas queiram conhecer o trabalho da banda ou é indiferente?

WP – A qualidade é, sim, um diferencial. Anie Doná é excelente vocalista; sua voz e presença de palco chamam a atenção e voltam os olhares do público para a Psicodella. Muito de sua formação tem contribuição internacional: entre os anos de 2010 e 2011, Anie se apresentou e gravou com as bandas norte-americanas Bottoms Up, Brain Shakers, Cheney’s Shotgun, Down South (Atlanta/GA) e a californiana The Gunslingers (Los Angeles).

RR – Quais os próximos planos da banda?

WP –Este foi um grande ano para a Psicodella! O lançamento do álbum rendeu algumas chamadas nos principais jornais da região e abriu portas para participarmos, por exemplo, do Planeta Rock 5ª edição, evento em que dividimos palco com CPM 22 e Titãs, gigantes do rock nacional. No dia seguinte, Anie cantou com Raimundos, a convite de ninguém menos que a dupla Digão e Canisso. Poucas semanas depois, abrimos para a maior banda independente do Brasil, a Velhas Virgens. No momento, há um novo clipe em pré-produção, bem como estratégias de marketing e publicidade para a Psicodella. E a agenda de shows está cheia!.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Kiko Zambianchi, Fly, GOG...

– Com realização da Gaia Oficina de Cultura e do Governo do Estado de São Paulo, o projeto Portas Abertas realiza as apresentações de grandes nomes da música brasileira ocorrem no deck do Shopping Villa-Lobos, sempre a partir das 18h, com entrada gratuita. Kiko Zambianchi toca nos 464 anos da cidade de São Paulo com clássicos do rock nacional, nesta quinta-feira (25/01). Já a boy band Fly está de volta aos palcos, após uma pausa na carreira, e promete encantar seus fãs com novo repertório, no sábado (27/01). A abertura desse show ficará por conta do jovem talento Pedro Thomé. A programação completa deve ser anunciada em breve. Zambianchi, que completou recentemente 25 anos de carreira musical, apresenta um dos projetos mais importantes da sua trajetória. Depois da sua conhecida contribuição participando do CD e DVD "Acústico MTV Capital Inicial", grande sucesso com mais de 1 milhão de cópias vendidas, finalmente chega ao aguardado momento de também apresentar o seu trabalho autoral acústico ao vivo. Já a banda Fly teve início em 2009, quando o integrante Paulo Castagnoli se reuniu com Caíque Gama, para finalmente darem asas aos seus sonhos e engajarem o projeto FLY. Depois, com auxilio das redes sociais, Nathan Barone foi descoberto e trouxe a voz que faltava. Pedro Thomé, po sua vez, fez sua estreia no cenário musical em janeiro de 2017 com o lançamento do single “50 Tons”. Produzida por Luis Gustavo Garcia e com o apoio do produtor Sérgio Campos, a faixa foi a porta de entrada para o cantor mostrar todo seu talento. Ele abriu ainda mais seu coração com o lançamento de seu segundo single, “É Você”, em abril. A faixa acústica ressalta a potência vocal de Pedro.

Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: McGee & The Lost Hope, Enzo And The Glory Ensemble...

– A vocalista Mauren McGee e o guitarrista B.B. estão de volta com o novo single "Magick Beings", gravado ao vivo – com a banda completa, Vitor Vieira (batera) e Matheus Vinicius (baixo) – no estúdio Juke Box (Rio de Janeiro) durante a turnê "Sensitive Woman Tour", ainda na primeira metade deste ano. Eles formam a banda McGee & The Lost Hope. A música está disponível para streaming em plataformas online por meio da parceria da Abraxas Records com a Dinamite Records e a Tropical Fuzz Fever. Ouça aqui: https://onerpm.lnk.to/McGeeFtTheLostHope.  "Magick Beings" aproxima a McGee & the Lost Hope do occult rock, mas sem perder a aura psicodélica bluseira que caracteriza a banda. A faixa também conta com uma participação especial de peso: o tecladista Alex Veley, que há mais de dez anos faz parte da banda de Nando Reis (ex-Titãs). Veley, assim como Mauren, é natural de Seattle (Estados Unidos). Além do novo single, a banda promete novas músicas para 2018, embora ainda sem planos concretos para um álbum cheio. Sobre "Magick Beings", B.B. comenta que trazer novas referências à McGee & the Lost Hope foi um "caminho natural" e é ainda uma composição bastante atrelada à experiências pessoais da vocalista Mauren. Tem elementos de blues, como sempre, e a letra segue uma temática mais ocultista e elemental, refletindo nossas práticas e experiências pessoais", conta. "Criamos a trilha sonora para encorajar as pessoas a desenvolverem suas próprias experiências místicas", finaliza o guitarrista.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Claustrofobia, Ozielzinho, Terrorsphere...

– O "Berti Rock Festival" anuncia de forma oficial sua terceira edição para janeiro de 2018. Pontos importantes que devem ser ressaltados, o festival de realização da prefeitura de Bertioga/SP, sendo que o "Berti Rock Festival" agora será apresentado na tenda principal do evento anualmente organizado pela prefeitura da cidade, que visa levar aos habitantes à cultura em suas diversas formas, seja na música, teatro, arte e outros. O evento será realizado dia 20 de janeiro com a realização da Prefeitura Municipal de Bertioga, apoio Cultural do SESC Bertioga e produção da Viabiliza Music Produções, confirmou que o festival contará com bandas autorias e tributos de grandes nomes do metal mundial. O primeiro nome confirmado para o festival é o Claustrofobia, natural da cidade e reconhecido mundialmente. A outra grande atração confirmada no festival será o projeto liderado pelo guitarrista Andreas Kisser (Sepultura e De La Tierra) e seu filho Yohan Kisser (Lusco Fusco), completam o grupo o baterista Amilcar Christofáro (Torture Squad) e o baixista Gustavo Giglio (Sé7ima) que encabeçam a banda Kisser Clan e que recentemente, fechou uma noite no palco Rock District do Rock in Rio 2017. O 3º "Berti Rock Festival" será realizado na Tenda de Eventos na Praia da Enseada, ao lado do Parque dos Tupiniquins, um dos grandes atrativos do festival é a possibilidade de em algum momento das apresentações, o grupo Claustrofobia e o Kisser Clan, unirem suas forças em uma Jam inédita na história do metal.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Gods & Punks, Blind Horse, Arcpelago, Andralls...

– O Gods & Punks faz show deste sábado, 13 de janeiro, a partir dias 21 horas, no Nectar Som. O evento, intitulado Mato Jam, também apresenta mais dois nomes relevantes e ativos da cena do Rio de Janeiro: Blind Horse (assim como a Gods & Punks, é banda da Abraxas Records) e Arcpelago. Três inéditas estão previstas no setlist da apresentação do Gods & Punks no Mato Jam, que como destaca o vocalista Alexandre Canhetti, são composições que mostram a banda um passo a diante, com mais peso e experimentações. Outra novidade em palco será a execução na íntegra de 'The Encounter', música de 14 minutos do álbum 'Into the Dunes of Doom' e que rapidamente se tornou uma das preferidas dos fãs. Assim como no disco, terá a participação - agora ao vivo - do tecladista Ronaldo Rodrigues, das bandas Arcpelago e Caravela Escarlate. O músico é ainda um dos líderes da Cena Carioca de Música Progressiva (CCMP). Arcpelago, outra atração da Mato Jam, está desde 2011 na ativa e toca rock progressivo com referências à estética sonora da década de setenta, buscando cruzar a energia do rock com pretensões mais eruditas e pitadas de jazz, blues, folk e sonoridades étnicas. O Arcpelago traz ao palco músicas do álbum Simbiose, lançado em junho de 2017, e inéditas. Já a Blind Horse é nome de peso do hard rock setentista com influências de rock psicodélico, prog, funk, soul, jazz, blues e stoner. O power trio divulga 'Patagonia', com um hard rock clássico que reverbera em ritmos ora alucinantes, ora viajantes, com momentos bluesy, funk e soul.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo