Combate Rock

Psicodella: estréia em disco autoral com muita energia - parte 1

Combate Rock

20/11/2016 06h43

Julio Verdi – do blog Ready to Rock

Psicodelia (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Psicodella (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Mesmo em tempos em que comprar CDs já não mais o hábito mais praticado por fãs de rock, o lançamento de um álbum ainda se configura como meta principal das bandas que se dedicam a produzir música autoral. E, quando se trata de um primeiro full length, essa meta é sempre cercada de muitas expectativas. Afinal, qual músico não tem uma overdose de curiosidade pra saber o que ou ouvintes estão achando de seu trabalho.

E imagino que essa realidade se aplique à banda Psicodella. Nascida em São José do Rio Preto, ela se chamava anteriormente Torn, e circulava por diversas cidades da região, atuando com covers de nomes como System of a Down, AC/DC, além de artistas nacionais como Pitty e Raimundos.

Até que em 2016, vieram mudanças profundas na carreira do grupo, que hoje tem Anie Doná (vocal), Walter Poletti (guitarra), Daniel Borsato (bateria) e Hailon Vançan (baixo).

Primeiro mudaram de nome, passando a chamar-se Psicodella. E gravaram no estúdio Busic (em Sampa, dos irmãos Andria e Ivan Busic, ex-Dr.Sin) seu primeiro disco, com 9 temas puramente autorais. A partir de então a banda passou a mesclar seu repertório, dividindo-o entre os covers e suas próprias criações.

O que chama a atenção logo de cara é a qualidade da produção. Efeitos de guitarra e baixo muito bem equilibrados, bateria concisa e amigável com os arranjos e os vocais de Anie, soando com ótima dose de agressividade.

Por ter uma mulher à frente dos microfones, muita gente pode ter um conceito prévio de associar o grupo a nomes como Pitty, Pato Fu ou Toyshop. Ledo engano, amigo leitor.

O quarteto aqui pratica um hard rock muito bem arranjado, com fortes referências a classic rock, e executado de maneira bem visceral. Os solos de guitarra curtos e precisos. As músicas têm peso e acessibilidade, convivendo simultaneamente. As letras versam sobre existencialismo, condições sociais/amorosas e odes ao estilo de vida rock and roll, sem soarem superficiais ou intelectualóides demais.

Destaques? O álbum todo é nivelado por cima em termos de entusiasmo sonoro. Nada é meia boca. Mas vamos a alguns. O disco abre com “#nuncaserão”, o qual poderíamos classificar com o hit da banda. Levada com muito groove (característica da maioria das músicas, ouça “Deixa o rock rolar”) e um refrão grudento.

“Só guardo o que é bom” e “Até logo” são as mais cadenciadas, a primeira com seu início no esquema balada (chimbau e dedilhado), para ganhar peso posteriormente, a segunda tem um bom apelo radiofônico. Seria forte candidata a rolar nas FMs por aí, não fossem a$ influência$ que elas tem das gravadoras.

“Quem vai nos ouvir” começa com a força visceral do vocal (cujo refrão tem vozes dobradas) e tem como base a levada de rock clássico nos fraseados de guitarra (e um destacado solo de guita).

Outro destaque latente do trabalho é “Way to Go”, licks e base se intercalando (lembranças melódicas de AC/DC são fáceis de se identificar), cadência precisa da batera e uma aura prazerosa aura rock and roll nas linhas vocais. E o disco fecha com “Te salvar”, talvez a mais densa do disco, levada por paletadas nervosas da guitarra e um conjunto de backings que dão um sabor especial às refrões.

Enfim, um disco objetivo e agradável. Não se surpreenda caso se ouça cantarolando várias partes das músicas deste disco. Afinal, ele tem uma saudável aura de pegajosidade. Até onde o álbum pode levar a banda em termos de carreira não sabemos, mas que é um início fonográfico vibrante, com certeza é. Way to go.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Big Time Orchestra, Psychotic Eyes, Social Arsonist...

– Uma das mais tradicionais big bands do Brasil, a Big Time Orchestra vai gravar o próximo álbum na 'cidade berço' do jazz e do blues, New Orleans (USA). Formada há 12 anos como uma banda de soul e rockabilly, a BTO foi incorporando outros estilos no seu som mas a base sempre foi o jazz e o blues. Esse projeto também marca a entrada do cantor Rubens Daniel, finalista do programa The Voice Brasil, no grupo. "Sempre foi um sonho gravar um álbum lá. É realmente uma grande oportunidade de começarmos essa nova etapa, contando agora com o talento e a voz de Rubens Daniel e reencontrarmos a essência do nosso som no berço do jazz", diz o baixista Fabiano Cordoni. O disco será produzido pelo renomado Jack Miele (One Republic, Rod Stewart, Zac Brown Band, Alex Clare e Steve Vai) e gravado no Music Shed Studio. No repertório, as novas canções autorias "Realizo Você" e "Fico ou não Fico", entre outras, além de releituras de "Valerie" (Amy Winehouse), "One Love" (Bob Marley), "Use Somebody" (Kings of Leon), "Beth Balanço"(Barão Vermelho) e "Loiras Geladas" (RPM). Durante a estadia da banda em solo norte-americano, serão gravadas também imagens para um DVD. A ideia é captar momentos tanto em estúdio quanto nas ruas de New Orleans e Memphis, cidade onde cresceu Elvis Presley, uma das maiores referências da Big Time Orchestra, que será devidamente homenageado no álbum. O CD e DVD serão distribuídos pela Sony Music e a previsão é que cheguem às lojas ainda no final do primeiro semestre.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo