Combate Rock

Sepultura 30 anos: nova biografia finalmente é publicada no Brasil

Combate Rock

27/01/2016 07h44

Marcelo Moreira

Demorou, mas finalmente está no mercado brasileiro uma nova biografia do Sepultura em português. O livro há muito tempo era esperado, já que seu autor, o jornalista norte-americano Jason Korolenko, prometia informações diferentes e novas interpretações a respeito de algumas polêmicas sobre a história da mais importante de todas as bandas brasileiras de rock.

“Relentless – 30 anos de Sepultura” chega oficialmente nesta quarta-feira ao mercado brasileiro pela editora Benvirá, que tem feito bom trabalho na edição de obras sobre música e bandas de rock. O livro foi editado nos Estados Unidos e na Polônia no final de 2014.

Casado com uma brasileira, Korolenko tem uma afinidade grande com o rock brasileiro e é um admirador confesso da banda. Metódico, pesquisador dedicado e com bom texto, o autor segue, em parte, a escola britânica de biografias de rock, dando uma atenção especial à contextualização histórica e a informações sobre o mercado musical desde 1985.

A obra chega para ocupar, em parte, a lacuna biográfica a respeito da principal banda brasileira neste século. O elogiado livro “Sepultura – Toda a História”, de André Barcinski e Silvio Gomes, foi considerada por muito tempo a obra definitiva sobre o grupo, em português – por Korolenko também, inclusiva. Publicado em 1999, não foi atualizado em novas versões, até onde se sabe.

“Relentless” (implacável, em inglês) supre essa falha literária incompreensível e chega para se tornar, neste momento, a principal referência biográfica não só em português. Se perde na questão dos bastidores e das histórias paralelas em relação ao livro de Barcinski e Torres, obviamente avança na questão da pesquisa e das entrevistas mais abrangentes, com a vantagem de ter 15 anos a mais para abordar.

Em entrevista exclusiva ao Combate Rock, por e-mail, Korolenko fala sobre o orgulho de ter conseguido concluir uma obra difícil e sobre a importância do Sepultura para a música pesada mundial em todos os sentidos:

sepa
Havia uma previsão de lançamento do livro em 2014. Por que o atraso?
O livro foi terminado em 2014 e publicado em inglês e polonês no mesmo ano. A editora brasileira sofreu um atraso devido a algumas considerações legais, o que não cabe a mim discutir.

Quando você anunciou em redes sociais que lançaria a biografia do Sepultura, muita gente o criticou dizendo que você pretendia dar uma “resposta” à autobiografica de Max Cavalera. Houve algum tipo de motivação neste sentido?

Quanto ao anúncio do livro, o momento foi uma mera coincidência. Eu comecei a escrever “Relentless” ao mesmo tempo que Joel McIver começou a escrever seu livro com o Max. A autobiografia saiu primeiro, mas eu escolhi não lê-lo até ter terminado de escrever “Relentless” porque não queria que meu livro fosse influenciado de nenhum modo, mesmo inconscientemente.

Já foram lançadas biografias da banda no Brasil, escritas por jornalistas que até hoje afirmam que têm amizade estreita com integrantes e ex-integrantes. O que “Relentless” acrescenta em temos de novidades á conhecida história do Sepultura?

Eu só tenho conhecimento de um outro livro além da autobiografia do Max, o “Toda a História”, de Silvio Gomes e André Barcinski, um livro fantástico. Esse livro foi publicado em 1999, assim é natural que não contenha uma boa parte da história do grupo (inclusive a história por trás da saída do Igor). Eu tive muita sorte em ter feito amizade com membros da banda, tanto do passado como do presente, bem como alguns de seus familiares, e de ter conversado longamente com pessoas envolvidas em cada estágio da carreira do Sepultura. “Relentless’ também contém o comentário impresso dos álbuns mais extenso e detalhado, mais de 70 fotos (a maioria das quais nunca tinha sido vista antes), e uma grande quantidade de informação até então não revelada.

Max e Iggor Cavalera contribuíram de alguma forma com o seu livro?

Infelizmente, Igor recusou se envolver com o livro, e depois de ter conversado com a Gloria Cavalera, eu entendi que o Max tampouco se envolveria. No entanto, pude conversar com pessoas que cresceram com os irmãos ou que fizeram parte, de uma maneira ou de outra, do nascimento e desenvolvimento do Sepultura nos primeiros anos da banda.

Andreas Kisser se tornou o “dono” do Sepultura após as saídas de Max e Iggor. Descontando as mudanças drásticas no mercado musical, como você avalia o impacto na carreira da banda da “administração” Kisser?

Eu acho que o Sepultura de agora é mais profissional do que nunca. A banda é a atividade profisisonal deles, ganham a vida com isso, é com a música que pagam suas contas e alimentam suas famílias. É muito fácil romancear a vida dos músicos que viajam em turnês, mas equilibrar a música e os negócios exige um grande esforço. O Andreas vive e respira Sepultura. O que tem mantido a banda – e a marca que ela representa- viva e prosperando é a “administração” Kisser, como você diz,, mesmo durante alguns anos difíceis para o grupo.

A autobiografia de Max decepciona em muitos momentos, mas sobretudo a respeito dos motivos da separação ocorrida em 1996. Ele dá apenas algumas pistas, xinga e desqualifica alguns personagens, mas não revela detelhes. O que é possível encontrar de novidade a esse respeito?

A minha intenção foi a de ir tão fundo na historia da banda quanto pudesse e, ao mesmo tempo, permanecer o mais neutro possível. Com relação à separação da banda em 1996, “Relentless” contém alguns detalhes que, creio eu, nunca foram revelados antes em entrevistas ou artigos sobre a banda.

Mais uma vez citando Max Cavalera, para ele Paulo Jr. sempre foi um mau baixista. Em suas pesquisas foi possível encontrar opiniões que corroborassem essa visão?
Paulo é um bom músico, um bom baixista e uma engrenagem essencial na máquina do Sepultura até hoje. Eu não achei necessário mencionar as opiniões do Max sobre ele porque são somente suas opiniões. No entanto,  escrevi sobre as razões que levaram o  Paulo a não tocar baixo nas primeiras gravações.

Formação clássica do Sepultura

Formação clássica do Sepultura

>Muitas fãs do Sepultura no Brasil costumam dizer que a passagem de Max Cavalera pelos Estados Unidos em 1989 em busca de contratos com gravadoras é um fato pouco explorado por biógrafos e jornalistas. Como você avalia hoje a a receptividade que ele teve na época e como foi possível que um garoto cabeludo e com inglês precário conseguisse sucesso ao convencer personagens do mercado americano a acreditar em uma banda obscura do Brasil?

A história da vinda do Max aos Estados Unidos assumiu um aspecto quase mitológico com o passar dos anos. Ela é bem “rock and roll”, não é?  A verdade é que ele teve muita ajuda e apoio de profissionais da indústria da música nos Estados Unidos, que já o conheciam um pouco e se interessavam pela música do Sepultura. É uma história incrível de persistência e dedicação – a idéia de que esses quatro garotos brasileiros pudessem ter um enorme impacto na evolução do heavy metal em nível internacional, em uma era pré-internet.

A formação atual do Sepultura continua as comemorações dos 30 anos de carreira e anuncia para breve o lançamento de uma espécie de documentário oficial. De alguma forma “Relentless” pode ser um produto a integrar o “pacote” comemorativo da banda?

Não creio. A banda me apoiou desde o início e aprovou a idéia do “Relentless” ser escrito (inclusive contando histórias, aceitando entrevistas comigo, cedendo fotos pessoais, o uso do seu logo, etc), mas o livro é um produto “oficial” do Sepultura.

A questão da reunião da formação clássica, seja para um show ou de forma definitiva, ainda é um assunto que fascina os fãs, principalmente no Brasil. Diante de suas pesquisas para o livro, você acredita que exista alguma chance de acontecer? 

Ao mesmo tempo que é impossível prever o futuro (por exemplo, Axl e Slash acabam de reunir no Guns N’ Roses e aposto que ninguém tinha previsto isso), eu pessoalmente acho que uma reunião do Sepultura “clássico” jamais acontecerá. A fissura foi muito mais profunda do que a maioria das pessoas sabe.

Essa eventual reunião faria sentido? Qual a relevância que teria para a carreira da banda e para o mercado em geral?

É complicado especular sobre o impacto que uma reunião dessas teria sobre a cena musical como um todo. O metal – e a indústria musical em geral- é uma arena dura nos dias de hoje. Por diversas razões, eu acho que uma reunião dos Cavalera com o Andreas Kisser e o Paulo Jr. não satisfaria as expectativas dos fãs. Existem muitas emoções envolvidas, muita nostalgia. Eu acho que devemos deixar o passado no passado e aproveitar o que temos hoje. 

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Kiko Zambianchi, Fly, GOG...

– Com realização da Gaia Oficina de Cultura e do Governo do Estado de São Paulo, o projeto Portas Abertas realiza as apresentações de grandes nomes da música brasileira ocorrem no deck do Shopping Villa-Lobos, sempre a partir das 18h, com entrada gratuita. Kiko Zambianchi toca nos 464 anos da cidade de São Paulo com clássicos do rock nacional, nesta quinta-feira (25/01). Já a boy band Fly está de volta aos palcos, após uma pausa na carreira, e promete encantar seus fãs com novo repertório, no sábado (27/01). A abertura desse show ficará por conta do jovem talento Pedro Thomé. A programação completa deve ser anunciada em breve. Zambianchi, que completou recentemente 25 anos de carreira musical, apresenta um dos projetos mais importantes da sua trajetória. Depois da sua conhecida contribuição participando do CD e DVD "Acústico MTV Capital Inicial", grande sucesso com mais de 1 milhão de cópias vendidas, finalmente chega ao aguardado momento de também apresentar o seu trabalho autoral acústico ao vivo. Já a banda Fly teve início em 2009, quando o integrante Paulo Castagnoli se reuniu com Caíque Gama, para finalmente darem asas aos seus sonhos e engajarem o projeto FLY. Depois, com auxilio das redes sociais, Nathan Barone foi descoberto e trouxe a voz que faltava. Pedro Thomé, po sua vez, fez sua estreia no cenário musical em janeiro de 2017 com o lançamento do single “50 Tons”. Produzida por Luis Gustavo Garcia e com o apoio do produtor Sérgio Campos, a faixa foi a porta de entrada para o cantor mostrar todo seu talento. Ele abriu ainda mais seu coração com o lançamento de seu segundo single, “É Você”, em abril. A faixa acústica ressalta a potência vocal de Pedro.

Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: McGee & The Lost Hope, Enzo And The Glory Ensemble...

– A vocalista Mauren McGee e o guitarrista B.B. estão de volta com o novo single "Magick Beings", gravado ao vivo – com a banda completa, Vitor Vieira (batera) e Matheus Vinicius (baixo) – no estúdio Juke Box (Rio de Janeiro) durante a turnê "Sensitive Woman Tour", ainda na primeira metade deste ano. Eles formam a banda McGee & The Lost Hope. A música está disponível para streaming em plataformas online por meio da parceria da Abraxas Records com a Dinamite Records e a Tropical Fuzz Fever. Ouça aqui: https://onerpm.lnk.to/McGeeFtTheLostHope.  "Magick Beings" aproxima a McGee & the Lost Hope do occult rock, mas sem perder a aura psicodélica bluseira que caracteriza a banda. A faixa também conta com uma participação especial de peso: o tecladista Alex Veley, que há mais de dez anos faz parte da banda de Nando Reis (ex-Titãs). Veley, assim como Mauren, é natural de Seattle (Estados Unidos). Além do novo single, a banda promete novas músicas para 2018, embora ainda sem planos concretos para um álbum cheio. Sobre "Magick Beings", B.B. comenta que trazer novas referências à McGee & the Lost Hope foi um "caminho natural" e é ainda uma composição bastante atrelada à experiências pessoais da vocalista Mauren. Tem elementos de blues, como sempre, e a letra segue uma temática mais ocultista e elemental, refletindo nossas práticas e experiências pessoais", conta. "Criamos a trilha sonora para encorajar as pessoas a desenvolverem suas próprias experiências místicas", finaliza o guitarrista.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Claustrofobia, Ozielzinho, Terrorsphere...

– O "Berti Rock Festival" anuncia de forma oficial sua terceira edição para janeiro de 2018. Pontos importantes que devem ser ressaltados, o festival de realização da prefeitura de Bertioga/SP, sendo que o "Berti Rock Festival" agora será apresentado na tenda principal do evento anualmente organizado pela prefeitura da cidade, que visa levar aos habitantes à cultura em suas diversas formas, seja na música, teatro, arte e outros. O evento será realizado dia 20 de janeiro com a realização da Prefeitura Municipal de Bertioga, apoio Cultural do SESC Bertioga e produção da Viabiliza Music Produções, confirmou que o festival contará com bandas autorias e tributos de grandes nomes do metal mundial. O primeiro nome confirmado para o festival é o Claustrofobia, natural da cidade e reconhecido mundialmente. A outra grande atração confirmada no festival será o projeto liderado pelo guitarrista Andreas Kisser (Sepultura e De La Tierra) e seu filho Yohan Kisser (Lusco Fusco), completam o grupo o baterista Amilcar Christofáro (Torture Squad) e o baixista Gustavo Giglio (Sé7ima) que encabeçam a banda Kisser Clan e que recentemente, fechou uma noite no palco Rock District do Rock in Rio 2017. O 3º "Berti Rock Festival" será realizado na Tenda de Eventos na Praia da Enseada, ao lado do Parque dos Tupiniquins, um dos grandes atrativos do festival é a possibilidade de em algum momento das apresentações, o grupo Claustrofobia e o Kisser Clan, unirem suas forças em uma Jam inédita na história do metal.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Gods & Punks, Blind Horse, Arcpelago, Andralls...

– O Gods & Punks faz show deste sábado, 13 de janeiro, a partir dias 21 horas, no Nectar Som. O evento, intitulado Mato Jam, também apresenta mais dois nomes relevantes e ativos da cena do Rio de Janeiro: Blind Horse (assim como a Gods & Punks, é banda da Abraxas Records) e Arcpelago. Três inéditas estão previstas no setlist da apresentação do Gods & Punks no Mato Jam, que como destaca o vocalista Alexandre Canhetti, são composições que mostram a banda um passo a diante, com mais peso e experimentações. Outra novidade em palco será a execução na íntegra de 'The Encounter', música de 14 minutos do álbum 'Into the Dunes of Doom' e que rapidamente se tornou uma das preferidas dos fãs. Assim como no disco, terá a participação - agora ao vivo - do tecladista Ronaldo Rodrigues, das bandas Arcpelago e Caravela Escarlate. O músico é ainda um dos líderes da Cena Carioca de Música Progressiva (CCMP). Arcpelago, outra atração da Mato Jam, está desde 2011 na ativa e toca rock progressivo com referências à estética sonora da década de setenta, buscando cruzar a energia do rock com pretensões mais eruditas e pitadas de jazz, blues, folk e sonoridades étnicas. O Arcpelago traz ao palco músicas do álbum Simbiose, lançado em junho de 2017, e inéditas. Já a Blind Horse é nome de peso do hard rock setentista com influências de rock psicodélico, prog, funk, soul, jazz, blues e stoner. O power trio divulga 'Patagonia', com um hard rock clássico que reverbera em ritmos ora alucinantes, ora viajantes, com momentos bluesy, funk e soul.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo