Combate Rock

Bendicta larga bem apesar da escolha arriscada

Combate Rock

19/05/2017 06h53

Marcelo Moreira

Bendicta lança o EP ‘Recomeço’ no Manifesto Bar (FOTO: MARCELO MOREIRA)

Os caminhos estão bem mais difíceis. Esburacados, cheio de obstáculos e até destruídos. E tem gente que ainda insiste – ainda bem.

É o caso da banda Bendicta, de São Paulo, que ainda investe no sonho de fazer música pesada em português e conseguir algum tipo de reconhecimento.

O material de apoio impressiona, com adesivos e um pen drive caprichado com o EP “Recomeço” e todos os videoclipes que a banda já gravou e lançou.

Há futuro para o Bendicta, cantando em português na poderosa voz da vocalista Angel e buscando uma sonoridade mais moderna?

A julgar pelos predecessores no subestilo, o caminho é arriscado e perigoso. A baiana Pitty é hoje um dos nomes mais importantes do pop rock nacional, mas teve de deixar o som pesado de sua carreira solo de lado – tanto que também faz soft rock com o projeto paralelo Agridoce.

Já o Madame Saatan, do Pará, deu a impressão de que iria decolar com uma sonoridade mais vintage, bem hard rock, apostando na voz forte da cantora Sammliz e na sua imagem sensual.

O começo foi promissor, mas depois o grupo implodiu e a vocalista engatou uma até agora bem-sucedida carreira solo no ano passado, com o álbum “Mamba”, muito mais pop e bem menos rock.

“É óbvio que não está sendo fácil, e nunca achamos que seria. Temos um projeto sério e esntamos muito empenhados nisso”, afirmou a cantora Angel após o show de lançamento de “Recomeço”, no Manifesto Bar, em São Paulo.

O dia não era dos melhores, um domingo frio de maio. Em pouco mais de 50 minutos, o quarteto se esforçou bastante para quase 200 pessoas e impressionou pela performance afiada e pelo entrosamento.

O show surpreendeu porque a banda é muito mais pesada ao vivo do que no estúdio e nos clipes. Isso é bom e é ruim: causa boa impressão no palco para quem nada esperava; por outro lado, deixa a pergunta no ar – por que esse peso não é captado no estúdio?

Bendicta lança o EP ‘Recomeço’ no Manifesto Bar (FOTO: MARCELO MOREIRA)

No primeiro trabalho, a Bendicta mostrou qualidades, ainda que tenha de manter a busca por um som original. E o diferencial, por enquanto, é o peso mostrado ao vivo, com duas guitarras e uma afinação baixa, unindo um hard rock clássico com uma sonoridade mais moderna.

Essa modernidade às vezes espanta, como nas três versões escolhidas para completar o repertório das cinco músicas do EP.

Como disse Angel no palco, as músicas escolhidas refletem os gostos dos integrantes – Alter Bridge, Nickelback e Disturbed, ainda que o que está em “Recomeço” não demonstrem explicitamente essas influências.

“Na Memória” é uma canção básica e forte, feita para abrir a festa e mostrar as boas qualidades instrumentais do grupo. “A Cor Que Sangra” é a melhor do EP, que traz mais peso e mais força para uma letra mais politizada.

“Verdade em Confusão” tem cara de hit, com uma letra esperta e desencanada. Ao vivo é mais impactante, em especial pela performance do guitarrista Thiago “Thigas” Sobral, adepto de um instrumento de sete cordas e que o executa com competência.

“Essência” tem uma bela melodia e dá destaque ao baixo gordo e firme de Clayton “Mestre” França, que ressalta o competente trabalho de Fernando Quesada (baixista do Noturnall e violonista no projeto ANIE).

O Bendicta tem uam série de desafios neste instável e depredado mercado musical-roqueiro do Brasil. São corajosos por enveredarem por um caminho difícil. O começo é animador em quase dois anos de atividades.

A empolgação e a juventude de seus integrantes contam a  favor, assim como as canções acima da média. O “mas”, em relação à banda, é que hoje o mercado não espera muito tempo por amadurecimento, e o grupo terá de acelerar esse processo para superar as dificuldades adicionais de fazer som pesado e “modernoso” com vocal feminino potente.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo