Combate Rock

Vanguardista e indomável, Allan Holdsworth morre aos 70 anos

Combate Rock

17/04/2017 14h59

Marcelo Moreira

Allan Holdsworth (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Um crítico de rock disse nos anos 70 que que tinha visto o futuro do rock em Nova Jersey, e que o nome daquele futuro era Bruce Springsteen.

Um pouco antes, entretanto, naquela época, outros visionários tinham sido mais definitivos e precisos ao decretar que o futuro da música e da guitarra estava nas mãos de um instrumentista inglês excêntrico chamado Allan Holdsworth.

Eclético, veloz e inventivo, Holdsworth, que morreu nesta segunda-feira na Inglaterra, aos 70 anos (causa ainda não revelada), tinha admiradores em todos os espectros da música, indo de jazzistas a violonistas clássicos. Sua técnica colossal e impressionante o colocou no topo, de onde nunca saiu.

Alguns críticos se incomodavam com a frequente qualificação de “gênio” para o guitarrista, e isso vinha de seus pares.

Seja em uma das encarnações do magnífico Soft Machine ou na primeira formação do mítico UK ( ao lado de John Wetton no baixo e vocais, ex-King Crimson, Bill Bruford na bateria, ex-Yes e King Crimson, e Eddie Jobson nos teclados, ex-King Crimson), Allan Holdsworth mostrou-se um estilista nos timbres complexos e únicos e no uso inteligente das som eletrônicos e sintetizados.

A melhor frase a respeito da genialidade do mestre da guitarra veio de outro mestre ainda mais genial – John McLaughlin, da Mahavishnu Orchestra: “Eu roubaria tudo o que Allan estava fazendo, se eu pudesse descobrir o que diabos era que ele estava fazendo”.

Ao mesmo tempo em que era discreto, também era genioso e pouco tolerante com ideias que fugiam de seus padrões de qualidade. Odiava ser associado ao rock progressivo, onde ele efetivamente atuou a maior parte de sua carreira de mais de 50 anos.

Os companheiros de Soft Machine o admiravam na mesma proporção em que se irritavam com seu perfeccionismo e com a imposição de timbres estranhos – e geniais – ao som instrumental do grupo. As tensões logo ficaram insustentáveis e o genioso gênio saiu em 1975.

No UK, dois anos depois, aquele que deveria ser um dos melhores supergrupos da história, o choque de personalidades ocorreu no primeiro ensaio.

Bill Bruford, um ás da bateria do rock e também considerado um dos seres mais difíceis do rock, não perdeu tempo ao falar das criações estranhas e malucas de Holdsworth.

O processo foi todo tenso e rendeu um excelente álbum de estreia do UK, mas o estresse foi tanto que Holdsworth saiu quase imediatamente ao lançamento.

Foram inúmeros os projetos que engatou a partir dos anos 80, sempre preocupado com o conteúdo e desprezando os holofotes. Seguiu underground, mas como referência para Eddie Van Halen e Joe Satriani, por exemplo, com quem dividiu capas e mais capas de revistas especializadas.

Allan Holdsworth se tornou um dinossauro em termos mercadológicos: indomável, vanguardista e criativo, era um radical livre que foi injustamente “guetificado” como artista de rock progressivo e “guitarreiro” – não que isso fizesse qualquer diferença para ele.

A guitarra era a sua única prioridade. Sua missão era a busca do timbre impossível, e a cumpriu muito bem.

 

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo