Topo
Combate Rock

Combate Rock

Rock é oposição, mas rótulos políticos inviabilizam qualquer debate

Combate Rock

2001-05-20T19:06:53

01/05/2019 06h53

Marcelo Moreira

O brilhante jornalista, cartunista e escritor Millôr Fernandes costumava dizer que o jornalismo que importa é o que faz oposição – o resto é armazém de secos e molhados.

Com um espírito levemente parecido, um grupo de malucos ingleses que tocava rock progressivo criou nos anos 70 o movimento RIO – Rock in Opposition que. Frank Zappa também tinha uma filosofia semelhante ao destroçar seus alvos em suas músicas repletas de ironia, sarcasmo e crítica sociopolítica.

Por definição, conceito e histórico de criação, rock sempre foi de "oposição", caso contrário não teria provocando o terremoto que provocou na cultura ocidental – e, por tabela, na cultura pop mundial.

E quando alguns decidem rotular que o rock tem de ser de esquerda? Será que uma coisa está ligada à outra? Como explicar isso, então, a artistas importantes como Johnny Ramone, o guitarrista dos Ramones (morto em 2004), ou a Ted Nugent, um dos expoentes da direita norte-americana xenófoba e defensora do porte de armas?

O cantor Dinho Ouro Preto afirmou ao jornal "Folha de S. Paulo", tempos atrás, que fica assustado quando percebe que o "rock ficou de direita" (note a generalização). Afinal, quem é que disse que o rock tem de ser obrigatoriamente de esquerda?

Rotular é uma atividade tão antiga na humanidade quanto qualquer outra atividade. Aplicar rótulos é uma maneira de simplificar as coisas em várias circunstâncias sem que isso seja necessariamente bom.

Capital Inicial (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Capital Inicial: Dinho Ouro Preto é o primeiro à direita (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Em um momento de polarização extrema e radicalização política, cobrar uma postura generalizada à esquerda ou à direita do rock ou dos roqueiros é uma postura mais do que anacrônica – é descabida e inútil.

Tentou-se fazer isso com Bruce Springsteen em 1985, quando o seu hit "Born in USA" estourou mundialmente e o catapultou ao topo da música pop.

Compositor talentoso e cantor inspirado, ganhou fama ainda nos anos 70 ao falar dos cidadãos comuns norte-americanos e dar voz ao trabalhador médio, narrando suas desventuras e seus cotidianos, às vezes com melancolia, mas muitas vezes com esperança e otimismo.

"Born in USA" é uma canção ufanista e bem otimista, mas acabou servindo de argumento político para detratores à esquerda, que o acusaram de se vender ao conservadorismo republicano e aliando-se ao presidente de então, Ronald Reagan.

Os apoiadores de Reagan e dos conservadores, por sua vez,  não perderam tempo ao adotar o hit como "hino" de uma América "orgulhosa de seus valores", deturpando o sentido original da canção.

E é bom sempre lembrar que Springsteen é um dos astros internacionais com presença forte em shows beneficente de causas sociais e humanitárias, como os eventos da Anistia Internacional – fato convenientemente esquecido à época pelos conservadores.

A rebeldia, a contestação, as lutas contra a opressão (à direita e à esquerda) e a busca constante pela liberdade talvez possam, em algum momento, ter aplicado o rótulo "subversivo" ao rock, passando a impressão (ou mesmo empurrado, ainda que não muito) de que o rock e os roqueiros normalmente seriam de esquerda.

John Lennon pode ter sido o mais notório subversivo entre a elite dos roqueiros, com sua ligação, em algum momento, com movimentos radicais norte-americanos, apesar de ser uma estrela milionária do rock.

Joe Strummer nunca escondeu sua inclinações esquerdistas dentro e fora do colosso The Clash – e o movimento punk, oposição por natureza e necessidade tanto nos Estados Unidos quanto na Inglaterra, quem diria, acabou gerando uma série de grupelhos de extrema-direita com direito a delírios neonazistas…

Primeiro álbum dos Ramones, lançado em 1976, com a formação original

Primeiro álbum dos Ramones, lançado em 1976: Johnny Ramone é o primeiro da esquerda para a direita

Tão radical no discurso é Roger Waters, ex-Pink Floyd (mas milionário, diga-se de passagem). Esquerdista de longa data e antibelicista, foi um duro crítico do governo conservador de Margaret Thatcher na Inglaterra.

E como pode existir punk de direita? Johnny Ramone era um apoiador ativo do Partido Republicado, nos Estados Unidos, e não foram poucas as vezes em que apoiou publicamente o governo Reagan.

E como qualificaríamos então os músicos de jazz e rock progressivos da Polônia, Hungria e antiga Checoslováquia que enfrentaram as ditaduras comunistas do Leste Europeu?

Lutando contra tiranias e sendo reprimidos e presos por serem adeptos de uma "cultura decadente" e "contra os anseios do povo e das lideranças proletárias", seriam por acaso rotulados de "direitistas" e "contrarrevolucionários", mesmo almejando a liberdade?

O rock pode ser de oposição sem ter necessariamente uma coloração ideológico-partidária. Nem todo artista que protestou contra Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva e o PT naturalmente abraça algumas das ideias mais estapafúrdias de ruptura institucional pregadas por conservadores nacionais. E também, em alguns casos, nem foram ou são tão conservadores assim, como podemos observar em posturas político-eleitoreiras claramente oportunistas de gente que se diz "social-democrata" (leia-se, neste caso, muita gente tucana do PSDB).

Tico Santa Cruz (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Tico Santa Cruz (FOTO: DIVULGAÇÃO)

A postura infantil de parte da esquerda em não reconhecer que nem toda a "oposição" está no barco de evangélicos fundamentalistas e direitistas radicais insanos da estirpe de Jair Bolsonaro (PSL) não ajuda no debate, contribuindo para enlamear os palanques.

Por um lado, artistas como Dinho, Tico Santa Cruz (Detonautas) e José Rodrigues "Mao" Júnior (ex-Garotos Podres) exercitam sua digna militância esquerdista com inegáveis contribuições sociais e ao debate político, mas estabelecem uma distância instransponível aos seus pares que pensam diferente.

O mesmo comportamento é observado do outro lado, quando gente como Roger Rocha Moreira, do Ultraje a Rigor, Lobão e muitos músicos do metal nacional assumem uma postura crítica e raivosa contra o PT e a esquerdsa – fato que inclui a execração total e a desqualificação de quem pensa diferente.

Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos: Mao é o de jaleco branco (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos: Mao é o de jaleco branco (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Esperar algum tipo de convivência pacífica e saudável entre os grupos dentro da música nacional parece fora de questão – muito em parte por culpa dos próprios músicos.

Diante disso, não surpreende que gente como Chico Buarque seja interpelada de forma grosseira em restaurantes e que bandas como o Ultraje recebam apupos e xingamentos durante os shows.

É saudável cultivarmos a aura de oposição que sempre acompanhou o rock, mas é prudente manter o gênero do pântano e das armadilhas do oportunismo que normalmente se associam a disputas político-eleitorais.  Respeitar as opiniões e debater sem desqualificar nunca fizeram mal a ninguém.

 

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br