Topo
Combate Rock

Combate Rock

Rápido panorama do metal nacional - 18

Combate Rock

09/11/2018 06h42

– Wild Witch – "The Offering" é o trabalho mais recente desta banda de Curitiba. A qualidade da gravação é ótima, e o climão de anos 80 se espalha por conta de músicas calcadas na New Wave of British Heavy Metal, mas não espere muita originalidade. A ideia é divertir com base em um passado glorioso, e então tome as boas "Exiles in Hell", "To the Lions" e "Night Rulers".

– Quintessente – Metal sinfônico misturado com metal progressivo, "Songs from the Celestial Spheres" é uma boa surpresa perpetrada por este grupo carioca, que aposta no dueto de vozes masculina e feminina. É inegável a influência de grupos europeus como Epica, Tristania, Leave's Eyes e outros, mas o grupo já mostra personalidade em um instrumental primoroso. Escute "Essente", "Delirium" e "My Last Oath"

– Paura – Mais uma banda adepta do massacre sonoro – e mais uma a fazer com competência. "Slowly Dying of Survival" provavelmente é o melhor trabalho da banda até agora, com uma produção de boa qualidade e boas composições. O hardcore aqui predomina, com a remissão direta a Agnostic Front e Madball, mas os amantes do thrash também vão reconhecer fortes influências do Exodus e do Testament. Os timbres de guitarra estão muito pesados e a porrada come solta. O maior destaque é a polícia e engajada "Open All Borders".

– Tchandala – A veterana banda sergipana de heavy metal mostra todo o seu repertório no recém-lançado "Resilience", o terceiro álbum da carreira. É heavy tradicional com pitadas de hard, prog e guitarras mais pesadas. O instrumental está bastante caprichado e o trabalho de guitarras é bem superior ao que já tinha sido feito pela banda. Destaques para as participações especiais de Tim "Ripper" Owens (ex-Judas Priest e Iced Earth) e Iuri Sanson (ex-Hibria). As músicas mais interessantes são "Labyrinth" e "Tears of River".

– Bad Bebop – O grande mérito desta banda e seu álbum "Prime Time Murder" é conseguir se distinguir na multidão. Som autoral e bem feito, aposta eme elementos diferentes em seu som pesado. As guitarras dão o tom, mas há um groove diferente, que às vezes remete ao new metal dos anos 90, às vezes nos leva a um som mais moderno tipo Lamb of God – ou às vezes até  esbarra no industrial. Não é uma música de fácil assimilação na primeira audição, mas é um grupo corajoso.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br