Combate Rock

Pop Javali e Fabiano Negri: sofisticação, peso e qualidade vindos do interior de SP

Combate Rock

06/07/2017 06h51

Marcelo Moreira

De um lado, sofisticação e melodias marcantes. De outro, a urgência do hard rock em canções rápidas, pesadas e virtuosas. E eis que artistas do interior de São Paulo estão produzindo alguns dos melhores rocks do Brasil na atualidade.

De Campinas o bardo Fabiano Negri, ex-vocalista do Rei Lagarto e atual da banda Dusty Old Fingers, volta com um EP ainda mais impactante do que o álbum “Maybe We’ll Have a Good Time… For the Last Time”, de 2015, e o projeto Z.3.R.O., de 2016.

Cantor versátil e multi-instrumentista, Negri acaba de lançar “When Nothing Is Right, Anything Is Possible”, um trabalho recheado de mensagens positivas e carregado de otimismo.

Se nos dois trabalhos anteriores ele visitou o rock banhado de soul e rhythm & blues e as batidas eletrônicas e modernas com traços dark, agora opta por uma mistura de rock britânico dos anos 60 e 70 mergulhados em guitarras psicodélicas e arranjos calibrados, tudo temperado por um bom gosto e muitas referências históricas.

São cinco músicas que compõem um mosaico de timbres bacanas, exalando uma atmosfera de alto astral, quase como um tributo ao verão do amor de 1967, o que, de certa forma, podemos extrair da ótima “Dear Captain”, a melhor da canções.

“Modern Old Times” é rica em texturas psicodélicas, que casam perfeitamente com a letra irônica e saudosista, além de guitarras bem entrosadas e que dialogam bem com a intrincada melodia.

“Absolutely” é outro destaque, mais reflexiva e com uma ambientação acústica perfeita, que serviram para que Negri desfilasse sua versatilidade vocal. Cinco canções apenas, que deixaram clara a necessidade de o artista lance mais coisas o mais rápido possível – e o legal é que o EP é apenas a primeira parte de algo maior mais extenso.

Fabiano Negri (FOTO: DIVULGAÇÃO)

De Americana, pertinho de Campinas, o power trio Pop Javali não perdeu tempo e coloca nas lojas ótimo “Resilient”, o sucessor de “Game of Fate”, coroando as celebrações de 25 anos de carreira.

Equilibrando-se entre a vida artística e os compromissos profissionais de suas carreiras, os três integrantes suaram para manter a banda na estrada e o esforço compensou: “Resilient”, o terceiro álbum de inéditas, chega apenas um ano depois do lançamento de “Live in Amsterdam”, que registra um show quente e cáustico realizado na capital holandesa.

O trabalho conta com a produção firme e sem firulas de Andria Busic (ex-Dr. Sin), que conseguiu extrair o hard rock direto e urgente do Pop Javali.

Se em “Game of Fate” houve uma preocupação maior com arranjos e uma produção mais limpa, no novo álbum as coisas estão mais pulsantes.

A guitarra de Jaéder Menossi não está menos virtuosa ou densa, mas está mais pesada e orgânica. Ela conduz a pancada em “A New Beginning” e “Hollow Man”, que abrem o álbum de forma alucinante.

O baterista Loks Rasmussen consegue, por sua vez, um equilíbrio interessante entre a pegada pop quebrada de Stewart Copeland (The Police) e uma agressividade suingada de Carmine Appice (Beck, Bogert & Appice, entre outros), visível/audível em “Hollow Man” e na exótica “Shooting Star”.

Em alguns momentos é possível observar certos tiques de Dr. Sin aqui e ali, cortesia da mão calibrada de Busic, e o trio soube muito bem aproveitar a influência de uma produção estrelada como essa.

Marcelo Frizzo evita maiores exageros nos vocais e consegue muito bons resultados quando se dedica a uma interpretação mais incisiva, como em “Reasonable” e “Show You the Money”, onde o seu baixo, coincidentemente, ganha proeminência, em linhas que tornam o instrumento quase uma guitarra rítmica – ecos de John Entwistle (The Who), certamente.

O álbum atinge o ápice com as pesadas “Broken Leg Horse” e “Resilient”, velozes e pesadas, despejando uma saraivada de referências setentistas, que vão de Uriah Heep e Judas Priest a Bad Company e Queen.

Frizzo não economiza energia e consegue com eficácia equilibrar agressividade e força em seu vocal agudo. O resultado é muito bom, transformando “Resilient” em um trabalho de alta qualidade e diferenciado dentro do panorama nacional atual.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Mayhem, Ratos de Porão, Grinding Reaction, Overshad...

– De volta Brasil, em turnê que retorna ao Rio de Janeiro, no dia 8 de junho, os noruegueses do Mayhem trazem ao Cais da Imperatriz o segundo ato da turnê comemorativa do álbum. Ingressos já à venda a preço promocional somente online: http://bit.ly/mayhem-rj. O Mayhem está revigorado. Desde a primeira turnê mundial para celebrar a longevidade e relevância de “De Mysteriis Dom Sathanas”, o mais recente álbum, a lenda norueguesa oferece - e com sucesso - a experiência de assistir a um espetáculo grandioso sobre um álbum lançado em 1994, repleto de blastbeats, riffs cortantes e vocais agressivos. Mais de duas décadas depois, estes elementos tão intrínsecos ao black metal soam ainda mais explosivos e esmagadores quando executados ao vivo pelo Mayhem de hoje, no melhor conceito de orquestra infernal. A formação do Mayhem que volta ao Rio de Janeiro é bastante relevante à história de De Mysteriis Dom Sathanas, apesar das baixas que rondaram a produção do álbum, que por meandros perturbadores levaram às mortes do guitarrista fundador Euronymous e do vocalista Dead, e ao envolvimento de Varg Vikernes (Burzum, ex-baixista do Mayhem, quando usava o pseudônimo Count Grishnackh). A produção do show na capital carioca é da Headbanger Produções com apoio da Abraxas. Hellhammer, o baterista original, comanda o Mayhem ao lado do também membro fundador, o baixista Necrobutcher. Nos vocais, quem alinha a missa negra é Attila Csihar, o vocalista original de De Mysteriis Dom Sathanas e que retornou à banda em 2004. Os guitarristas, no Mayhem desde o início desta década, são Teloch (que já foi integrante de palcos do 1349 e Gorgoroth) e Ghul (ex-Cradle of Filth).

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock

Combate Rock

Notas roqueiras: Leather Leone, Save Our Souls, Macumbazilla...

– A cantora norte-americana Leather Leone está lançando seu segundo álbum, simplesmente intitulado "II". O selo Abigail Records acaba de disponibilizar o link para a pré-venda de "II". A versão brasileira será a única no formato digipack - já que no resto do mundo ele será lançado em caixinha de acrílico - e quem comprar essa edição nacional pelo site da gravadora, receberá um pôster exclusivo. Link para compra na pré-venda: http://abigailrecords.bigcartel.com/product/leather-leone-ii. O disco marca a nova fase da vocalista norte americana, que gravou ao lado de uma banda formada pelos experientes músicos brasileiros; Vinnie Tex (guitarra), Daemon Ross (guitarra), Thiago Velasquez (baixo) e Braulio Drummond (bateria). Assista o lyric vídeo de "Lost At Midnite", primeiro single de "II", que tem data de lançamento marcada para o dia 13 de Abril - inclusive, lançamento mundial: https://www.youtube.com/watch?v=y5HbAWfllfg. Leather Leone foi vocalista da banda do guitarrista David T. Chastain, que levava seu nome, Chastain - que no Brasil fez bastante sucesso nos anos 80, com os álbuns "Ruler of the Wasteland" (86), "The 7th Of Never" (87) e "The Voice Of The Cult" (88). Com essa banda ela lançou sete álbuns - Leather esteve na banda, de 1985 a 1990, retornando em 2013. Seu primeiro álbum solo, "Shock Waves" foi lançado em 1989. Pela banda Sledge Leather ela lançou apenas um álbum, "Imagine Me Alive" (2012) - nessa banda o baixista era Jimmy Bain (R.I.P.), ex-Dio.

Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Combate Rock
Topo