PUBLICIDADE
Topo

Combate Rock

Mamonas Assassinas 20 anos: apenas uma piada engraçadinha e infantil. E só

Combate Rock

22/01/2016 07h00

Marcelo Moreira

Mamnoas Assassinas (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Mamnoas Assassinas (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Uma piada infantil nem tão engraçada que funcionou. E nada mais. Assim pode ser definida a trajetória da banda Mamonas Assassinas, que fez imenso sucesso entre 1995 e 1996 até desaparecer em um acidente aéreo na zona norte da cidade de São Paulo.

Os 20 anos da morte de todos os integrantes, em março de 1996, já começaram a ser lembrados. A primeira e interessante iniciativa é a realização de um musical baseado na carreira dos cinco músicos de Guarulhos (SP). Aós a escolha do elenco, os ensaios estão frenéticos para a estreia em breve.

Outras iniciativas virão neste ano e já existe movimetnação para reedição do único CD lançado pelo grupo, além de outros produtos – um DVD com imagens inéditas não está descartado.

Inegavelmente um fenômeno popular, os Mamonas Assassinas era bem diferentes de qualquer coisa existente no mercado dos anos 90, surgindo logo depois do chamado Mangue Beat, cena pop surgida em Recife (PE) e de outro fenômeno, os Raimundos.

Desde o início apareceu uma questão que permanece até hoje: os Mamonas faziam música ou faziam humor? Ou seria um humor musicado?

As piadas eram toscas, de nível ginasiano, que abusavam da escatologia infantil e dos preconceitos enraizados na sociedade brasileira. Ainda que houvesse certa maldade em algumas colocações, o trabalho era pueril e quase inofensivo.

Como piada, funcionou bem, agradando crianças e adultos justamente pela bobeira que era – e os músicos revelaram um grande talento para o humor e transbordaram um carisma que nem eles sabiam que tinham.

mamonas-assassinas-grupo1

Entretanto, musicalmente, a banda beirava a irrelevância, deliberada ou não. O foco sempre foram as piadas e o escracho, com a música servindo de mero apoio ou muleta para as performances – uma pena, já que quem conheceu a fundo o quinteto garante que ali também havia talento musical.

Ainda que tenha funcionado e os integrantes tenham demonstrado talento artístico para o humor, o fato é que os Mamonas Assassinas deixaram uma impressão de que a brincadeira tinha prazo de validade – e sem nunca se livrar do estigma de banda "montada" para fazer sucesso fácil, "artificial" e dependente dos humores de um mercado volátil.

Os produtores do grupo conseguiram reunir vários clichês pop com competência, o que reforçou a impressão de "armação", coisa que não influenciou em nada a trajetória meteórica e fulminante do quinteto.

É inegável que os músicos e seus produtores aproveitaram ao máximo uma oportunidade única na época, e cada vez mais rara no mundo do entretenimento. Reciclando ideias antigas e piadas quase sempre ruins, conseguiram produzir uma comédia pop palatável, ainda que infantilizada. A música foi importante para impulsionar o "projeto", mas sempre esteve em segundo plano.

Os Mamonas Assassinas nunca passaram de uma piada até certo ponto engraçada, provavelmente com data de validade. E nada mais do que isso.

Sobre os Autores

Marcelo Moreira, jornalista, com mais de 25 anos de profissão, acredita que a salvação do Rock está no Metal Melódico e no Rock Progressivo. Maurício Gaia, jornalista e especialista em mídias digitais, crê que o rock morreu na década de 60 e hoje é um cadáver insepulto e fétido. Gosta de baião-de-dois.

Sobre o Blog

O Combate Rock é um espaço destinado a pancadarias diversas, com muita informação, opinião e prestação de serviços na área musical, sempre privilegiando um bom confronto, como o nome sugere. Comandado por Marcelo Moreira e Mauricio Gaia, os assuntos preferencialmente vão girar em torno do lema “vamos falar das bandas que nós gostamos e detonar as bandas que vocês gostam..” Sejam bem-vindos ao nosso ringue musical.
Contato: contato@combaterock.com.br

Blog Combate Rock